Covid-19: Especialistas e políticos reúnem-se hoje pela sétima vez para analisar epidemia
DATA
28/05/2020 10:06:13
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Especialistas e políticos reúnem-se hoje pela sétima vez para analisar epidemia

 Especialistas, políticos e parceiros sociais reúnem-se hoje, pela sétima vez, no Infarmed, para analisar a situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal, na véspera de o Conselho de Ministros decidir em relação à terceira fase de desconfinamento.

A sessão de apresentação sobre a “situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal" é uma iniciativa do primeiro-ministro, António Costa, a que se junta o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, bem como líderes dos partidos políticos com assento parlamentar, confederações patronais e estruturas sindicais e ainda os conselheiros de Estado – estes últimos por videoconferência – para ouvir os especialistas.

Esta é a sétima reunião deste género, na qual serão apresentados e analisados os dados relativos às primeiras duas fases de desconfinamento, um dia antes do Conselho de Ministros se reunir para decidir sobre a terceira fase de reabertura, prevista para dia 1 de junho.

No final da sexta reunião, a 14 de maio, o Presidente da República afirmou que Portugal tem registado um "desconfinamento muito contido", que não permite ainda "conclusões firmes" sobre a reabertura gradual de atividades e estabelecimentos encerrados devido à Covid-19.

"O desconfinamento em Portugal, começado a partir do dia 3 de maio, foi um desconfinamento muito contido. Os portugueses foram sensíveis àquilo que lhes foi pedido de fazerem a abertura por pequenos passos, portanto, a grande maioria continuou a ser muito contida. O que quer dizer que não temos muitos dados que permitam retirar conclusões firmes", declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, naquela alturara.

O chefe de Estado considerou então fundamental que continue a sintonia “entre quem tem de decidir e os portugueses”, cujo comportamento vai determinar o equilíbrio entre a abertura e o controlo da pandemia.

No dia seguinte, no final do Conselho de Ministros durante o qual foram aprovadas as medidas de reabertura da segunda fase de desconfinamento (que se iniciou no dia 18), o primeiro-ministro afirmou que os resultados das primeiras medidas de desconfinamento, tomadas 15 dias antes, foram positivos no combate à propagação da Covid-19, não havendo razão para adiar um novo passo na reabertura de atividades.

Segundo o primeiro-ministro, perante os dados conhecidos até então sobre a evolução da pandemia em Portugal, o Governo concluiu que as primeiras medidas de desconfinamento que entraram em vigor no início de maio não alteraram “a tendência de controlo" da propagação do novo coronavírus.

De acordo com informação da agenda da Presidência da República, as apresentações técnicas da sessão de hoje serão efetuadas por epidemiologistas da Direção-Geral da Saúde, do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e da Escola Nacional de Saúde Pública.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.