Covid-19: Presidente da República diz que a situação no País é favorável
DATA
28/05/2020 16:50:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Presidente da República diz que a situação no País é favorável

O Presidente da República considerou hoje que "a fotografia" da evolução da pandemia de Covid-19 no País "é favorável", mas admitiu preocupação com situação na região de Lisboa, onde tem crescido o número de infetados.

“Não há uma situação de descontrolo", em Lisboa e Vale do Tejo, mas, sim, de "atenção e preocupação", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, no final do sétimo encontro, desde o início do surto – em março –, com especialistas sobre a "situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal", no Infarmed, em Lisboa.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, na reunião de hoje “reconheceu-se o que há uma especial atenção e preocupação quanto à região de Lisboa e Vale do Tejo”, onde o indicador do risco de transmissibilidade – o R – “é ligeiramente superior”, de 1,01, acima da média nacional, inferior a 1.

O R é o número médio de contágios causados por cada pessoa infetada.

O Presidente da República considera que “é patente a existência de focos e surtos, mas que estão a merecer atenção e preocupação” por parte das autoridades.

“Reconhece-se que há especial atenção e preocupação quando à região de Lisboa e Vale do Tejo, não apenas por causa do R, mas porque é patente a existência quanto ao número de infetados, de focos, parte deles já detetados e com acompanhamento das cadeias de transmissão”, acrescentou, e o que “merece a tal atenção e preocupação”.

Além dos motivos de preocupação em Lisboa, a que se referiu, pelo menos, por três vezes, Marcelo Rebelo de Sousa destacou “aspetos positivos”, com o R abaixo de 1 nas duas regiões autónomas, Alentejo, Algarve, Norte e Centro.

Outro “aspeto positivo” foi a evolução do número de internados nos hospitais, nomeadamente, em cuidados intensivos, que “continua com tendência decrescente” e com “menor pressão” sobre essas estruturas.

O Presidente da República afirmou ainda que, "em termos globais", a primeira fase do desconfinamento "não perturbou o R e na generalidade do país o resultado é de evolução favorável".

Para dia 8 de junho está prevista uma nova reunião com especialistas, para se "poder olhar com distanciamento" os "efeitos da segunda fase de desconfinamento, de 18 [dia de maio] em diante" e antes da terceira fase, que se inicia em 01 de junho "e cujos efeitos ainda não serão visíveis dia 8”, explicou.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas