Covid-19: Médicos Sem Fronteiras pedem regulamentação da distribuição de equipamento proteção
DATA
29/05/2020 09:41:12
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Médicos Sem Fronteiras pedem regulamentação da distribuição de equipamento proteção

A organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) pediu a regulamentação da distribuição e da qualidade dos equipamentos de proteção utilizados pelo pessoal de saúde, não apenas para atender a casos de Covid-19, mas também a pacientes com outras doenças contagiosas.

A MSF adianta, em comunicado, que a pandemia “gerou uma pressão sem precedentes no mercado por esses produtos, cuja procura atingiu níveis muito altos, enquanto o comércio internacional foi restringido devido a proibições de exportação”.

Dessa forma, argumenta a MSF, os governos procuraram garantir a disponibilidade desses equipamentos (roupas de proteção, máscaras homologadas, luvas, óculos e viseiras) para suas próprias necessidades internas, o que levou “à explosão dos preços, criando escassez e comprometendo a saúde do pessoal médico e auxiliar”.

"É urgentemente necessária alguma forma de regulamentação para garantir uma distribuição equitativa de suprimentos médicos", bem como "produção que atenda aos padrões de qualidade", afirma a organização, no documento.

A MSF alerta que, em muitos países, o pessoal de saúde trabalha sem o equipamento de proteção necessário ou sem a possibilidade de o trocar após usá-lo por um determinado número de horas, o que os expõe ao contágio.

“Em certos países, como o Iémen, alguns hospitais (entre os que continuam a operar após cinco anos de guerra) tiveram que fechar e outras unidades de saúde receberam os seus pacientes, mas sem terem material de proteção extra”, denuncia.

A organização observou também que se está a sofrer diretamente desta situação em locais onde se prestam serviços médicos essenciais, como cirurgias e tratamentos para pessoas que sofrem de sarampo, tuberculose ou outras doenças infecciosas.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas