Covid-19: OMS duvida de enfraquecimento do vírus e aponta risco de resistência microbiana aumentar
DATA
02/06/2020 15:07:06
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: OMS duvida de enfraquecimento do vírus e aponta risco de resistência microbiana aumentar

A pandemia de Covid-19 fez aumentar o uso incorreto de antibióticos e aumenta o risco de resistência microbiana a estes medicamentos, afirmou a Organização Mundial de Saúde (OMS), que duvida para já que o novo coronavírus esteja a enfraquecer.

O diretor geral da organização, Tedros Ghebreyesus, considerou que a pandemia "levou ao uso acrescido de antibióticos, que levará, em última instância, a taxas de resistência microbiana mais altas que terão impacto nas doenças e mortes durante a pandemia e para além dela".

A OMS está preocupada com "o uso incorreto de antibióticos" [que não servem para tratar infeções virais como a Covid-19] durante a pandemia e salienta que "apenas uma pequena proporção de pessoas doentes com Covid-19 precisará de antibióticos para tratar infeções bacterianas subsequentes".

Nas suas orientações clínicas, a agência de saúde da ONU recomenda que "não se aplique terapia ou profilaxia com antibióticos a doentes com Covid-19 ligeira" a não ser que haja indicação clínica nesse sentido.

Tedros Ghebreyesus defendeu que é preciso investir na investigação de novos agentes antimicrobianos tanto como em terapias e vacinas para a Covid-19.

Questionado sobre um eventual enfraquecimento do novo coronavírus, o diretor do programa de emergências sanitárias da OMS, Michael Ryan, afirmou que "não se pode correr o risco" de acreditar nisso.

"Este ainda é um vírus assassino e temos que ter um cuidado extraordinário para não achar que o vírus, por sua própria vontade, decidiu ser menos patogénico", declarou.

Os novos vírus estão sujeitos a evoluir e podem tornar-se mais ou menos patogénicos, mas quanto ao novo coronavírus, Ryan argumentou que "não se sabe" em que estado está.

Afirmou que as medidas tomadas por todo o mundo de restrição de contactos entre pessoas e tratamento atempado e isolamento de doentes podem estar a "reduzir o número, intensidade e frequência de exposição" ao vírus e que isso é que está a determinar uma redução do número de novos casos em países como Itália, que foi um dos países mais atingidos durante o pico da pandemia.

"Superficialmente, o vírus pode parecer mais fraco, mas talvez isso se deva a estarmos a agir melhor [contra a Covid-19], não porque esteja realmente a enfraquecer".

Michael Ryan destacou que a situação mais preocupante se verifica, agora, no continente americano, onde se localizam cinco dos dez países com mais novos casos diários, como os Estados Unidos e o Brasil.

O responsável da OMS manifestou preocupação especial com países como o Haiti, cujos sistemas de saúde, já fragilizados, não têm capacidade de lidar com um surto agudo.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas