Serão contratados mais 2.700 profissionais de saúde até dezembro, afirma António Costa
DATA
05/06/2020 10:21:03
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Serão contratados mais 2.700 profissionais de saúde até dezembro, afirma António Costa

O primeiro-ministro avançou que, até ao final do ano, serão contratados mais 2.700 profissionais de saúde e que será consolidada a situação laboral de 2.800 contratados na fase de emergência de combate à Covid-19.

O anúncio deste plano de contratações no Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi transmitido por António Costa, esta quinta-feira, 4 de junho, no final do Conselho de Ministros, que aprovou o Programa de Estabilização Económica e Social.

Falando sobre um dos pilares do Programa de Estabilização, o líder do executivo disse que está previsto um reforço do SNS, que, em primeiro lugar, se traduzirá "na consolidação laboral dos cerca de 2800 profissionais que contratámos nesta fase de emergência".

"Vamos reforçar em mais 2700 profissionais a contratar até ao final do ano para aumentar a capacidade de resposta do SNS nas suas diferentes dimensões", completou o primeiro-ministro.

No domínio da saúde, classificou como "absolutamente prioritária" a recuperação da atividade assistencial.

"Como todos sabemos, quer as instituições de saúde cancelaram atividade programada, quer muitos cidadãos evitaram o contacto com os estabelecimentos do SNS por receio de contaminação com a Covid-19. Acumulou-se, por isso, um passivo assistencial que é preciso recuperar. E por isso haverá um programa de recuperação que permitirá reforçar significativamente as equipas no apoio à produção programada pelas diferentes equipas nas áreas mais prioritárias quer das consultas adiadas, quer das cirurgias adiadas", disse.

A segunda dimensão relaciona-se com o conjunto de medidas face a um eventual novo pico da Covid-19 no outono e no inverno.

António Costa falou, então, no reforço da capacidade de cuidados intensivos: "Este programa prevê que até ao final do ano possamos atingir a média europeia de 11,5 camas de medicina intensiva por 100 mil habitantes".

O primeiro-ministro anunciou ainda a valorização da saúde pública.

“Como se viu bem nesta crise não basta ter bons hospitais ou bons cuidados de saúde primária, é fundamental ter um bom trabalho de saúde pública que permita rapidamente identificar focos de infeção, cadeias de transmissão de modo a prevenir o alastramento da epidemia”, afirmou.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas