Covid-19: Atividade hospitalar não urgente em Lisboa e Vale do Tejo retomada na próxima semana
DATA
15/06/2020 18:04:27
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Atividade hospitalar não urgente em Lisboa e Vale do Tejo retomada na próxima semana

A atividade hospitalar na região de Lisboa e Vale do Tejo está estável e deverá ser retomada na próxima semana, apesar de haver entre 200 e 300 novos casos de Covid-19 diários, disse hoje a ministra da Saúde.

Na conferência de imprensa sobre a situação epidemiológica da pandemia em Portugal, Marta Temido explicou: “Resulta da observação dos números de atendimento na área dedicada à doença Covid-19 dos cuidados de saúde primários e do número de internamentos por Covid-19 nas áreas hospitalares destas regiões mais afetadas que a utilização dos mesmos se mantém estável com tendência decrescente. A manter-se este contexto será possível retomar a atividade suspensa no início da próxima semana, o que se antevê e se deseja”.

Segundo a ministra, a atividade hospitalar não urgente nos hospitais de Lisboa e Vale do Tejo, nomeadamente nos hospitais de Lisboa, Amadora e Loures, será retomada, “apesar dos números dos novos casos se manterem persistentemente nos 200/300 novos casos por dia”.

A decisão de suspender a atividade não urgente nos hospitais foi tomada em função "da incerteza" quanto à evolução da situação de contágio na região de Lisboa e Vale do Tejo.

As unidades de saúde que viram suspensos os serviços não urgentes são os centros hospitalares em Lisboa Norte, Lisboa central e Lisboa ocidental, o Hospital Fernando da Fonseca, na Amadora, e os hospitais de Cascais e de Loures.

Outro dos indicadores utilizados para avaliar a situação epidemiológica destacados hoje por Marta Temido foi a diminuição do número de mortes por Covid-19 que se tem registado, estando atualmente a taxa de letalidade global fixada nos 4,2%.

“A média semanal de óbitos tem vindo a cair. Foi de 5,4 por dia na última semana, de 10 na penúltima semana e de 12 na antepenúltima depois de números incomparavelmente superiores nas semanas anteriores”, revelou.

As certezas enganadoras sobre os Outros
Editorial | Mário Santos, membro da Direção Nacional da APMGF
As certezas enganadoras sobre os Outros

No processo de reflexão da minha prática clínica, levo em conta para além do meu índice de desempenho geral (IDG) e da satisfação dos meus pacientes, a opinião dos Outros. Não deixo, por isso, de ler as entrevistas cujos destaques despertam em mim o interesse sobre o que pensam e o que esperam das minhas funções, como médico de família. Selecionei alguns títulos divulgados pelo Jornal Médico, que mereceram a minha atenção no último ano: