Covid-19: Cascais tem autocarro-laboratório para realizar testes serológicos
DATA
24/06/2020 12:09:54
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Cascais tem autocarro-laboratório para realizar testes serológicos

A Câmara Municipal de Cascais (CMC) apresentou esta semana o Covid-Bus, um autocarro-laboratório que vai circular no concelho para recolha local de análises destinadas à realização de testes serológicos aos residentes.

Depois de identificados pelas autoridades de saúde, serão 42 os bairros por onde este autocarro se vai deslocar, dando especial atenção a pessoas com mobilidade mais reduzida e menor capacidade de acesso aos meios digitais.

O presidente da CMC, Carlos Carreiras, relevou a importância de mais este meio no combate à pandemia da Covid-19 no município e lembrou que se enquadra numa "estratégia global" da autarquia.

"Este autocarro insere-se numa estratégia mais vasta, uma coligação de esforços que vai além das questões de saúde e que abrange a distribuição de máscaras gratuitas, ação social nos bairros, pois começa a haver desemprego e perda de poder de compra, assim como acompanhamento psicológico e apoio alimentar, onde temos verificado um aumento de pedidos", disse o autarca.

Sobre este novo serviço, Carlos Carreiras adiantou que "vai permitir entrar nos bairros de forma organizada, juntar todas as autoridades de saúde, apoio social e segurança, sem esquecer a sociedade civil".

Já sobre a situação epidémica no concelho, o autarca lembrou que algumas das medidas restritivas anunciadas na terça-feira pelo governo para algumas zonas da Área Metropolitana de Lisboa já tinham sido adotadas por Cascais anteriormente e sublinhou que está "nas mãos" dos cidadãos mostrar se são ou não eficientes.

"Sou a favor da total liberdade, mas assumida com total responsabilidade. O que tem falhado é que uma escassa minoria de cidadãos desequilibra esta balança entre liberdade e responsabilidade. Somos um concelho atrativo, mas temos de ser pacientes e resilientes, pois temos de ter consciência de que não podemos colocar em risco tudo o que já alcançámos", terminou.

Presente na cerimónia de apresentação do Covid-Bus esteve também o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, que, na qualidade de Coordenador Regional de Lisboa e Vale do Tejo para a Covid-19, elogiou as ações levadas a cabo por Cascais.

"Com esta iniciativa, o município de Cascais incentiva e promove o processo de análise aos seus residentes, mas, acima de tudo, assegura na rua as respostas da Saúde Pública, das respostas sociais, que são absolutamente necessárias para ajudar no confinamento e reforçar a sensibilização num momento particularmente importante", afirmou Duarte Cordeiro, que recordou ainda que "a Covid-19 não desapareceu e apresenta especial resistência na AML".

O município de Cascais tem, atualmente, 868 infetados por Covid-19, 206 dos quais ativos, 642 recuperados e 34 óbitos confirmados.

Com mais de 10.000 testes serológicos (feitos através de análise de sangue) já realizados junto da população, estão já agendados mais 12.000 e o Covid-Bus vem incrementar a capacidade de teste do município, permitindo realizar até 120 testes serológicos por dia, segundo as informações prestadas pela autarquia.

Os testes serológicos permitem detetar, no soro sanguíneo, os níveis de anticorpos específicos para um vírus como o SARS-CoV-2, o coronavírus que provoca a doença da Covid-19.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.