Covid-19: DGS defende que número de testes realizados acompanha evolução da epidemia
DATA
24/06/2020 15:57:34
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: DGS defende que número de testes realizados acompanha evolução da epidemia

A diretora-geral da Saúde afirmou hoje que o número de testes de diagnóstico da Covid-19 realizados em Portugal acompanha a evolução da situação epidemiológica, justificando o menor reforço da testagem com a diminuição do número de sintomáticos.

“É natural que à medida que a nossa epidemia vai tendo menos pessoas que apresentam sintomas, sejam testados menos indivíduos do que estavam a ser testados antes”, explicou Graça Freitas, durante a conferência de imprensa destinada atualizar a informação relativa à pandemia de Covid-19.

Questionada sobre o menor número de testes que estão atualmente a ser realizados no país, a diretora-geral esclareceu que as orientações internacionais vão no sentido testar, com prioridade, todas as pessoas que apresentem sintomas, que, neste momento, são menos.

Por outro lado, acrescenta, também são colocadas sob vigilância os contactos próximos de todos os doentes infetados, mas mesmo nesses casos a relevância dos testes é relativa.

“O teste, mesmo que dê negativo, implica que o contacto próximo de um doente tenha de ficar, por precaução, 14 dias em isolamento, portanto nem é o teste que determina o que vamos fazer a seguir”, sublinhou a diretora-geral, considerando que “o país tem sido sempre muito assertivo nesta política de testes”.

Sobre o tema, a secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Jamila Madeira, disse que o país mantém uma forte capacidade de testagem e que essa capacidade será ativada sempre que se mostre necessário.

Jamila Madeira referiu ainda que a política de testagem foi reforçada na fase inicial do período de desconfinamento, sob uma lógica de rastreio massificado, e que, atualmente, essa política acompanha a evolução do número de casos.

Na mesma conferência de imprensa, a secretária de Estado recordou a compra de dois milhões de vacinas contra a gripe, para o próximo inverno, sublinhando que será “a maior aquisição de sempre”.

A medida visa salvaguardar que mais portugueses, numa circunstância de maior risco, estarão protegidos no próximo inverno. “Estamos a focar-nos sobretudo nos mais vulneráveis, disse.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas