Covid-19: AVC são comuns entre doentes com complicações neurológicas, conclui estudo
DATA
26/06/2020 10:54:11
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: AVC são comuns entre doentes com complicações neurológicas, conclui estudo

Os Acidentes vasculares cerebrais (AVC), a demência e a encefalopatia estão entre as patologias diagnosticadas em doentes graves com Covid-19 que sofreram complicações neurológicas, segundo um estudo científico britânico que analisou os dados de mais de 150 pacientes.

No estudo publicado esta quinta-feira na revista Lancet Psychiatry, analisaram-se 153 doentes internados com Covid-19 durante o mês de abril, fase exponencial da pandemia, cujos casos foram encaminhados para a investigação pelos seus médicos.

“Tem havido cada vez mais relatos de uma associação entre a infeção da Covid-19 e possíveis complicações neurológicas e psiquiátricas, mas até agora só a partir de estudos com dez ou menos pacientes. A nossa é a primeira investigação nacional de complicações neurológicas associadas à Covid-19, mas é importante assinalar que se centra em casos tão graves que exigiram hospitalização”, afirma o autor do estudo, Benedict Michael, da Universidade de Liverpool.

Os investigadores responsáveis pela investigação salientam que “não é possível tirar conclusões sobre a proporção total de doentes Covid-19 que poderão ser afetados [neurologicamente] a partir deste estudo, cujas conclusões reclamam mais investigação”.

Outra das cientistas envolvida e a coautora do estudo, Sarah Pett, da University College de Londres, acrescentou que este estudo é “uma fotografia” de um momento na pandemia e que é preciso “compreender as complicações cerebrais de pessoas que têm Covid-19 mas não com gravidade que justificasse internamento”.

“Esses estudos ajudarão a ilustrar a frequência destas complicações, quem está mais sujeito a tê-las e como as tratar”, afirmou.

A patologia mais comum foi acidente vascular cerebral, observado em 77 pacientes, a maioria com mais de 60 anos, 57 por causa de coágulos sanguíneos, conhecidos como acidentes isquémicos, em nove dos casos por causa de hemorragias cerebrais e no caso de um paciente, devido a inflamação dos vasos sanguíneos do cérebro.

Em 39 dos pacientes estudados, cerca de metade dos quais tinham menos de 60 anos, verificou-se que sofriam de confusão mental ou mudanças de comportamento associadas a estados mentais alterados. Em sete deles, verificou-se que sofriam de encefalite, uma inflamação do cérebro.

Em 23 dos doentes analisados, verificou-se que sofriam de alterações psiquiátricas – psicose, demência, depressão e ansiedade - de que não tinham antecedentes, embora os investigadores admitam que pudessem já existir antes, mas sem serem diagnosticadas.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas