Covid-19: Infarmed garante que Portugal tem stock de remdesivir
DATA
02/07/2020 10:40:14
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Infarmed garante que Portugal tem stock de remdesivir

O Infarmed assegurou esta quarta-feira, dia 1 de julho, que Portugal tem stock disponível e reserva para uso imediato do medicamento remdesivir, que tem sido utilizado contra a Covid-19.

Em comunicado, a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde avança que, após contacto com o laboratório titular do medicamento remdesivir, este confirmou que “antecipa que não venha a existir qualquer constrangimento no acesso ao tratamento por parte dos doentes portugueses, tendo a garantia de acompanhamento conjunto da situação”.

“Podemos informar que existe stock disponível do medicamento remdesivir, de acordo com as alocações que têm vindo a ser feitas ao nosso país, constituindo uma primeira reserva que garante o acesso imediato ao medicamento”, destacou o Infarmed.

A autoridade para o medicamento em Portugal explica que o remdesivir obteve um parecer positivo do Comité de Medicamentos de Uso Humano (CHMP) da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), “cuja autorização deverá ser concedida em breve pela Comissão Europeia”.

O parecer emitido tem a indicação terapêutica para o tratamento da Covid-19 em adultos e adolescentes a partir dos 12 anos com pneumonia e que requerem oxigénio suplementar, acrescenta.

“Esta autorização será condicional por ainda se aguardarem resultados confirmatórios”, sublinha o comunicado.

O medicamento esteve sempre disponível em Portugal, mesmo antes de ter a autorização condicional, através de pedidos de Autorização de Utilização Excecional, “assim os médicos assistentes o entendessem”, refere o Infarmed, garantindo que  “todos os pedidos de acesso ao medicamento pelos hospitais nacionais foram concedidos”.

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.