Atividades do Dia do Sono em Portugal distinguidas com prémio internacional

O conjunto de atividades promovidas pelo Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra (CNC-UC) e pela Associação Portuguesa de Sono (APS) para o Dia Mundial do Sono, que se assinalou em março, foi distinguido, pela segunda vez consecutiva, pela World Sleep Society.

A Sociedade Mundial do Sono atribuiu o prémio “Distinguished Activity Award”, que será entregue no Congresso Mundial de Sono, que terá lugar no Rio de Janeiro, Brasil, em setembro de 2021.

Subordinado ao tema "Melhor sono, melhor vida, melhor planeta", o trabalho desenvolvido pelo CNC-UC e a APS destacou-se, segundo a Universidade de Coimbra (UC), pelo “esforço em sensibilizar a população para a relevância do sono na saúde e bem-estar”.

Neste sentido, foi desenvolvida uma campanha nacional de hábitos saudáveis de sono que consistiu na divulgação de infografias relativas a cuidados a ter para um sono saudável, veiculadas através de painéis digitais e físicos, em várias cidades do país e painéis físicos.

A UC avança que, de acordo com o relatório da campanha, “estima-se que mais de 1.5 milhões de pessoas tenham tido contacto com estas infografias”.

A iniciativa, que incluiu ainda “uma animação informativa acerca do sono ao longo da vida”, divulgada nas redes sociais, “foi potenciada pelo projeto 'no-OSA no-AGEING', financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia”, com coordenação de Ana Rita Álvaro, investigadora do CNC-UC.

A comemoração em Portugal do Dia do Sono incluiu também ações de formação e sensibilização sobre a importância do sono dirigidas a instituições de ensino, grupos profissionais de saúde e meios de comunicação social, além do lançamento do livro digital "Bons Sonhos", gratuito e acessível à população, sobre o sono e os seus problemas mais comuns.

As ações do Dia Mundial de Sono 2020, distinguidas com o galardão internacional, tiveram o apoio da Câmara Municipal de Coimbra e das empresas Gasoxmed e Philips.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas