Covid-19: É essencial ouvir os médicos que estão no terreno, defendem os responsáveis do Fórum Médico
DATA
06/07/2020 17:54:07
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: É essencial ouvir os médicos que estão no terreno, defendem os responsáveis do Fórum Médico

Os responsáveis do Fórum Médico afirmaram que o Presidente da República, com quem reuniram hoje, fez o que a ministra da Saúde ainda não fez, que foi recebê-los, e salientaram junto de Marcelo Rebelo de Sousa que é essencial ouvir os médicos que estão no terreno.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, o presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia, o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos, Jorge Roque da Cunha, e Luís Cadinha, do Conselho Nacional da Federação Nacional dos Médicos, lembraram o papel dos médicos de saúde pública, cujo trabalho muitas vezes é quase invisível, mas que é essencial na luta contra a Covid-19.

Ricardo Mexia disse que o Fórum realçou junto do Presidente da República a necessidade “de uma reforma da saúde pública”, para a qual houve uma proposta de lei na legislatura anterior e que nunca avançou.

Em declarações aos jornalistas, lamentou a falta de recursos humanos e de equipamentos e que a saúde pública não tenha um sistema de informação, quando são os médicos de saúde pública que fazem o diagnóstico da situação das comunidades e identificam possíveis problemas

Alertou ainda para a necessidade de se planear o inverno, tendo em conta a Covid-19 e também os recorrentes casos de gripe.

Luís Cadinha e Jorge Roque da Cunha centraram-se, nas suas declarações aos jornalistas, na falta de meios técnicos e humanos e nas condições de trabalho dos médicos de saúde púbica, transformado em “trabalho escravo”, sem pagamentos de horas extra e sem descanso, sem contar com os riscos até físicos no âmbito do trabalho de autoridade de saúde-

Numa resposta a perguntas dos jornalistas o bastonário da Ordem dos Médicos alertou para a necessidade de serem reforçados os serviços e recursos para fazer face a outras doenças que não a Covid-19, que ficaram sem atenção devido à pandemia.

Nos números de Miguel Guimarães só nos hospitais ficaram por realizar nos meses de março, abril e maio mais de 900 mil consultas e nos mesmos meses foram feitas menos quase 100 mil cirurgias em relação a igual período do ano passado.

O Fórum Médico foi criado antes da pandemia, por ser importante reforçar a saúde pública, segundo o bastonário da Ordem dos Médicos.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas