Covid-19: Presidente do Conselho das Escolas Médicas teme fosso entre políticos e técnicos
DATA
07/07/2020 17:02:01
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Presidente do Conselho das Escolas Médicas teme fosso entre políticos e técnicos

O presidente do Conselho das Escolas Médicas Portuguesas (CEMP), Fausto Pinto, teme as consequências de um antagonismo entre políticos e a comunidade médica e científica em pleno combate à pandemia de Covid-19.

Perante as recentes críticas que se registaram entre as duas partes, face ao recrudescimento de óbitos, infeções e internamentos hospitalares nas últimas semanas na região de Lisboa e Vale do Tejo, sobretudo, o líder do conselho que reúne a academia portuguesa na área da medicina salientou à agência Lusa que os governantes deveriam alargar também o leque de pessoas e entidades a consultar para se alcançar uma melhor gestão da crise sanitária no país.

“Era importante os políticos ouvirem de uma forma mais abrangente e não apenas aqueles por si nomeados ou que fazem parte do círculo mais fechado. Deviam ouvir ainda as academias. Era importante haver uma aliança, seria mau existir um antagonismo [entre políticos e cientistas]”, afirmou, reiterando que “ordens, entidades científicas e academias têm uma maior independência do poder político”.

Sublinhando que “a ciência não se compadece com a matriz política tradicional”, Fausto Pinto defendeu que a colaboração entre decisores e comunidade científica “é fundamental” para atenuar a incerteza associada a situações sobre as quais não se dispõe de toda a informação.

“Este não é um problema político, é um problema de saúde pública. E os políticos não estão habituados a isto, não estão habituados à incerteza da ciência”, assinalou.

O presidente do CEMP notou ainda “alguma precipitação” no processo de desconfinamento – não só pelo “desacerto de números e de coordenação de estratégias”, mas também devido a alguma “falta de pedagogia” e um certo “excesso de otimismo” –, considerando que nesta fase “os números falam por si” e “não são nada positivos” para Portugal.

“Há a necessidade de uma maior coordenação e uma estratégia mais bem definida, sobretudo, ao nível das estruturas de saúde pública, da identificação dos casos positivos e da existência de uma rede adequada no terreno”, observou, acrescentando: “A única forma de ultrapassarmos isto é se as pessoas cumprirem as regras. Ninguém quer voltar ao confinamento, mas se isto correr muito mal pode não haver outra solução”.

Em simultâneo, Fausto Pinto reconheceu que o passo seguinte da gestão da pandemia pode mesmo passar por outros intervenientes ao nível da coordenação das autoridades de saúde.

“Tínhamos todas as condições para sermos um bom exemplo e com aquela pressa toda estamos a ser agora um mau exemplo. Ficámos mal na fotografia e é preciso corrigir com as pessoas adequadas. Recorrendo a uma linguagem futebolística, às vezes são precisas ‘chicotadas psicológicas’. Albert Einstein dizia que as mesmas soluções para os mesmos problemas dão os mesmos resultados. Se calhar, é preciso haver também algumas mudanças”.

Sobre a evolução do combate ao novo coronavírus, o também diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa lembrou que são precisas semanas para ver resultados e que as decisões não podem ser tomadas em função da sua popularidade junto da população, sob pena de agravar a posição do país em relação aos demais parceiros europeus.

“O controlo vai depender muito da capacidade que as nossas autoridades de saúde e o Governo tiverem de poder enfrentar esta situação com medidas assertivas e uma boa organização, que permita no terreno a identificação das cadeias, a realização dos testes, e a pedagogia junto das pessoas. Há todo um trabalho que se não for feito de forma coordenada pode evoluir para uma situação mais complexa. Não se pode baixar a guarda”, concluiu.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas