DGS alerta para perigos da subida de temperaturas
DATA
13/07/2020 15:31:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



DGS alerta para perigos da subida de temperaturas

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, alertou hoje para os perigos do calor que se vai fazer sentir esta semana, com um aviso especial para as crianças, idosos, grávidas e doentes crónicos, por representarem grupos mais vulneráveis.

Graça Freitas aproveitou a conferência de imprensa destinada ao balanço da situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal para alertar para um outro risco de saúde: o calor excessivo previsto para os próximos dias que se poderá traduzir em “maior morbilidade e, eventualmente, maior mortalidade”.

Durante esta semana, “preveem-se temperaturas muito elevadas com noites tropicais, ou seja, noites em que a temperatura não vai descer abaixo dos 20º”, sublinhou, recordando que existem quatro grandes grupos que acabam por estar mais vulneráveis: as crianças, idosos, mulheres grávidas e doentes crónicos.

Por isso, a responsável da DGS recordou algumas “medidas básicas” tais como beber água ou sumos de fruta naturais sem açúcar, salientando que é necessário beber mesmo que não haja a sensação de sede, ou usar roupa larga e fresca, chapéu e óculos de sol.

As refeições devem ser frias e leves e devem ser várias vezes ao dia e as pessoas devem permanecer durante duas ou três horas em ambientes frescos, porque “o corpo tem mecanismos de regulação térmicas, mas precisa de ajuda”, alertou.

Evitar demasiados esforços físicos e não estar ao sol nas horas de maior calor foram outras das recomendações deixadas hoje pela DGS, que voltou a lembrar os números para os quais as pessoas devem ligar caso se sintam mal: 112 ou para o 808242424, do SNS24.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas