Covid-19: Portugal regista mais 6 mortes e 233 novos casos
DATA
14/07/2020 15:51:10
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Portugal regista mais 6 mortes e 233 novos casos

O país regista hoje mais seis mortes e 233 novos casos de infeção por Covid-19 em relação a domingo, 143 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde.

O boletim diário indica que, desde o início da pandemia até hoje, foram registados 47.051 casos de infeção confirmados e 1.668 mortes.

Em termos percentuais, nas últimas 24 horas o aumento de óbitos foi de 0,4% (passou de 1.662 para 1.668) e o de casos confirmados 0,5% (de 46.818 para 47.051).

Lisboa e Vale do Tejo é a região onde o aumento dos casos continua a ser mais significativo, contabilizando 61% dos novos casos, com 143 dos 233, e a totalidade das seis mortes registadas.

Em número de casos, Lisboa e Vale do Tejo lidera com 23.008, seguida pela região Norte (18.184, com 41 casos novos), a região Centro (4.297, 21 casos novos), o Algarve (725, 17 casos novos) e o Alentejo (586, 10 casos novos).

Nos Açores mantém-se o número de novos casos e de mortes, à semelhança da Madeira, que totaliza 99 casos e nenhuma morte registada.

Apesar dos aumentos em Lisboa e Vale do Tejo, é o Norte que regista o maior número de mortes (823), depois surge Lisboa e Vale do Tejo (547), Centro (250), Alentejo (18), Algarve (15) e Açores (15).

Nas últimas 24 horas, o número de pessoas internadas subiu de 467 para 472 (mais cinco), bem como os internados em cuidados intensivos, que passaram de 63 para 69 (mais seis).

Em relação à informação sobre os casos por concelho, a DGS refere que o relatório de hoje já inclui a atualização da imputação de casos aos concelhos, com Lisboa, por exemplo, a registar mais 439 em relação ao boletim anterior.

Continuam a existir 11 concelhos com mais de mil casos, com Lisboa (4.084), Sintra (3.219) e Loures (2.088) à cabeça.

Por faixas etárias, o maior número de óbitos concentra-se nas pessoas com mais de 80 anos (1.114, mais três), seguidas das que tinham entre 70 e 79 anos (324, mais três), entre 60 e 69 anos (150) e entre 50 e 59 anos (55). Há 20 mortos registados entre os 40 e 49 anos, três entre os 30 e 39 e dois entre os 20 e 29 anos de idade.

Em termos de infetados, a maioria encontra-se na faixa etária entre 40 e 49 anos (7.758), depois entre 30 e 39 anos (7.623), 50 a 59 anos (7.228), 20 e 29 anos (7.097) e mais de 80 anos (5.611).

As autoridades de saúde têm sob vigilância 34.641 contactos de pessoas infetadas – mais 340 do que na segunda-feira - e 1.472 casos aguardam resultado laboratorial.

O número de doentes dados como recuperados aumentou de 31.065 para 31.550 (mais 485).

(Notícia atualizada às 17:20)

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas