Covid-19: Governo diz que vai reforçar Medicina Intensiva e Saúde Pública para o inverno
DATA
15/07/2020 17:55:26
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Governo diz que vai reforçar Medicina Intensiva e Saúde Pública para o inverno

O Governo vai reforçar com mais pessoal as unidades de Medicina Intensiva, Saúde Pública e procurar aumentar a rapidez dos testes à Covid-19 para preparar a chegada do inverno, afirmou hoje a secretária de Estado adjunta e da Saúde.

Em conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia no Ministério da Saúde, em Lisboa, Jamila Madeira indicou que está previsto, quer no orçamento suplementar, quer no programa de estabilidade económica e social, o “necessário reforço” nas unidades de medicina intensiva que se concluiu que era preciso nos últimos meses.

Haverá também reforços no setor da Saúde Pública para a “rastreabilidade e monitorização” e um aumento da capacidade laboratorial para que os resultados dos testes cheguem mais depressa, referiu.

Jamila Madeira acrescentou que se está a reforçar “a reserva estratégica” de equipamentos de proteção individual e de medicamentos a nível central e das unidades de saúde locais e administrações regionais de saúde.

“O Governo está a reforçar todas as dinâmicas instaladas no terreno e colocá-las-á ao dispor na próxima época outono/inverno”, declarou.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, disse que Portugal está a olhar para a situação epidemiológica da Austrália, o “grande radar” do hemisfério sul que está agora no seu inverno para prever o que possa acontecer nos meses frios na Europa.

“Tiveram uma primeira onda [de Covid-19], conseguiram baixá-la e enfrentam agora uma segunda onda simétrica à primeira”, referiu.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas