Covid-19: Pandemia já provocou mais de 606 mil mortes e 14,5 milhões de infetados
DATA
20/07/2020 13:43:15
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Pandemia já provocou mais de 606 mil mortes e 14,5 milhões de infetados

A pandemia de Covid-19 já provocou 606.605 mortos em todo o mundo, entre os 14.528.490 de casos, segundo um balanço da agência France Presse (AFP) baseado em dados oficiais.

Pelo menos 7.935.600 pessoas conseguiram curar-se da doença, em 196 países, desde o início da pandemia até às 12:00 de hoje, de acordo com dados da AFP.

No domingo, foram registados 4.584 óbitos e 224.583 novos casos em todo o mundo, com o maior número de novos mortos a ser registado no Brasil (716), na Índia (681) e nos Estados Unidos (514).

Os Estados Unidos são o país mais afetado tanto em número de mortos como em casos, com 140.534 mortos em 3.773.260 casos registados, segundo a contagem da Universidade John Hopkins, que indica que há neste país pelo menos 1.131.121 pessoas foram consideradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, encontram-se o Brasil, com 79.488 mortos em 2.098.389 casos, o Reino Unido com 45.300 mortos em 294.762 casos, o México com 39.184 mortos em 344.244 casos e a Itália com 35.045 mortos em 244.434 casos.

Entre os países mais afetados, a Bélgica é o que concentra um maior número de mortos em relação à sua população, com 85 mortos por cada 100 mil habitantes, seguida pelo Reino Unido (67), Espanha (61), Itália (58) e Suécia (56).

A China, sem contabilizar os territórios de Macau e Hong Kong, declarou oficialmente 83.682 casos (22 novos entre domingo e segunda), dos quais 4.634 mortos (0 novos) e 78.799 curados.

A Europa totalizava hoje, ao meio-dia, 205.420 mortos em 2.951.326 casos, a América Latina e Caraíbas 162.462 mortes em 3.830.779 casos, os Estados Unidos e o Canadá 149.416 mortes em 3.883.598 casos, a Ásia 50.972 mortes em 2.114.908 casos, o Médio Oriente 23.017 mortes em 1.010.923 casos, a África 15.166 mortes em 723.293 casos e a Oceânia 152 mortes em 13.672 casos.

Segundo a AFP, o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do número real de contaminações, dado que alguns países testam apenas os casos mais graves, outros utilizam testes prioritários para a triagem e vários países mais pobres dispõem de capacidades limitadas de despistagem.

Investir na Saúde é também investir na Formação
Editorial | Carlos Mestre
Investir na Saúde é também investir na Formação

Em março de 2021 existia em Portugal continental um total de 898.240 pessoas sem Médico de Família (MF) atribuído, ou seja, 8,7% da população não tem um acompanhamento regular com todas as medidas preventivas e curativas inerentes ao papel do especialista em Medicina Geral e Familiar (MGF).

Mais lidas