Médicos criticam encerramento de urgência noturna de oftalmologia na região Lisboa
DATA
21/07/2020 10:03:46
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Médicos criticam encerramento de urgência noturna de oftalmologia na região Lisboa

A Ordem dos Médicos critica a decisão da Administração Regional de Saúde de deixar toda a região de Lisboa sem urgência noturna de oftalmologia, ficando apenas um especialista de prevenção para doentes politraumatizados, internados ou casos de glaucoma agudo.

Numa nota hoje divulgada, a Ordem dos Médicos e o seu colégio de Oftalmologia citam uma informação enviada pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) aos hospitais que “determina que toda a região de Lisboa fique sem urgência noturna de oftalmologia no período entre as 20:00 e às 08:00”.

A urgência noturna de oftalmologia funcionava, até agora, no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) e/ou no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central (CHULC), recordam.

“Isto significa que de noite deixa de haver qualquer urgência polivalente de oftalmologia aberta, desde o Algarve até Coimbra”, sublinha a Ordem dos Médicos (OM).

De acordo com a informação enviada pela ARSLVT aos hospitais citada pela OM, “durante o período das 20:00 às 08:00 não haverá atendimento de doentes externos, sendo que estes doentes serão observados no dia seguinte nos Hospitais da sua área ou, caso isso não seja possível, serão enviados durante o período diurno para o CHULN e para o CHULC, consoante as suas respetivas áreas de referenciação”.

Durante a noite, assume a mesma nota da ARSLVT, apenas “haverá um oftalmologista de prevenção em cada polo que responderá a situações de doentes politraumatizados ou doentes internados que necessitem de atendimento oftalmológico emergente, assim como as situações de glaucoma agudo”.

“Todos os restantes doentes contemplados nos critérios de referenciação previamente acordados, poderão ser diferidos para o dia seguinte”, acrescenta.

A Ordem dos Médicos e o Colégio de Oftalmologia consideram esta decisão administrativa inaceitável sublinham que “deixa sem uma resposta diferenciada de prontidão e de qualidade toda a zona sul do país”.

A ARSLVT, frisam, invoca que com este encerramento está a “garantir a segurança necessária e o cumprimento das normas recomendadas pelo Colégio da Especialidade de Oftalmologia da Ordem dos Médicos”, uma afirmação “que invoca de forma abusiva e inadmissível o nome do colégio e da Ordem”.

De acordo com as normas do Colégio de Oftalmologia, a equipa tipo para urgências de oftalmologia com mais de 20 urgências (como é o caso do CHULN e CHULC) é composta por dois médicos em presença física, “até porque em caso de necessidade de intervenção cirúrgica são necessários dois especialistas”, recordam.

No caso dos serviços que asseguram as urgências metropolitanas (Porto, Coimbra e Lisboa) onde seja expectável garantir cuidados cirúrgicos de urgência, “defende-se até que os serviços tenham um terceiro elemento em regime de prevenção para garantir o normal funcionamento da urgência sempre que necessário”, diz a Ordem.

O Colégio de Oftalmologia recorda ainda que a Estratégia Nacional para a Saúde da Visão defende que Lisboa replique o modelo do Porto, “com a fusão de dois serviços para garantir que está sempre um aberto no período da noite”.

Sobre o mesmo assunto, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) diz ter recebido “com surpresa, desalento e preocupação” a decisão, que considera “mais um ataque ao SNS [Serviço Nacional de Saúde] e à saúde dos portugueses”.

“Numa área de vital importância como a saúde ocular, assistimos à leviandade deste ministério em acabar com esta valência de crucial importância”, refere o SIM, acrescentando: “Mais uma medida que em vez de defender o SNS o fragiliza ampliando a possível de lesões irreversíveis”.

O SIM exige ainda que se reponha a urgência noturna de oftalmologia, desejando que não aconteça igual à pediatria no Hospital Garcia de Orta, em Almada, que em novembro encerrou no período noturno.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas