Covid-19: Comissária europeia da Saúde aponta “desleixo” das populações no aumento de casos
DATA
29/07/2020 13:46:15
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Comissária europeia da Saúde aponta “desleixo” das populações no aumento de casos

A comissária europeia da Saúde manifestou hoje preocupação face ao aumento de casos de Covid-19 em vários países na Europa, responsabilizando as populações que demonstraram alguma “complacência e desleixo”, nomeadamente no cumprimento rigoroso das regras de higiene.

Num comunicado divulgado hoje, a comissária Stella Kyriakides deu o exemplo do seu país de origem, o Chipre, onde um aumento de novos contágios pelo novo coronavírus está a suscitar grande preocupação junto das autoridades cipriotas, que ainda não conseguiram rastrear a origem destes casos.

Para Stella Kyriakides, que se encontra na capital do Chipre, o aumento de novas infeções pode ser evitado se as pessoas permanecerem vigilantes.

A comissária considera que este ressurgimento de novos focos de infeção em vários Estados europeus é um sinal de que uma parte da população não está a seguir os protocolos de saúde e de segurança.

Em Nicósia, a comissária europeia informou o ministro cipriota com a tutela da Saúde, Constantinos Ioannou, sobre os esforços da União Europeia (UE) para assegurar tratamentos com Remdesivir no espaço europeu, após este medicamento antiviral ter sido autorizado para combater a doença Covid-19.

A Comissão Europeia anunciou hoje que assinou um contrato de 63 milhões de euros com a farmacêutica Gilead, para "garantir doses de tratamento de Veklury, a marca comercial da Remdesivir", depois de este ser sido o "primeiro medicamento autorizado a nível da UE para o tratamento da Covid-19".

Assim, "a partir do início de agosto, e a fim de satisfazer necessidades imediatas, serão disponibilizados aos Estados-membros e ao Reino Unido lotes de Veklury, com a coordenação e o apoio da Comissão", acrescentou o executivo comunitário.

Orçada em 63 milhões de euros financiados pelo Instrumento de Apoio de Emergência da Comissão Europeia, a medida visa garantir o tratamento de cerca de 30 mil pacientes que apresentam sintomas graves de Covid-19, segundo as estimativas da instituição.

No início de julho, o Remdesivir foi autorizado pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla inglesa) como o primeiro tratamento da Covid-19, visando então curar adultos e adolescentes a partir dos 12 anos de idade com pneumonia que necessitam de oxigénio suplementar.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas