Covid-19: DGS mantém as recomendações de máscara e diz que a Madeira tem autoridades próprias
DATA
29/07/2020 19:49:27
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: DGS mantém as recomendações de máscara e diz que a Madeira tem autoridades próprias

A diretora-geral da Saúde reiterou hoje que se mantêm as recomendações sobre o uso de máscaras no continente, lembrando que a Madeira, onde foi decretado o seu uso na rua, tem autoridades de saúde próprias.

Graça Freitas respondia desta forma a questões colocadas na conferência de imprensa sobre a pandemia relativamente ao uso obrigatório de máscaras a partir de 01 de agosto na Madeira, a primeira região do país a decretar esta medida.

Lembrou que a Direção-Geral da Saúde é a autoridade de saúde nacional para o continente e que “as regiões autónomas têm uma dinâmica própria, no que diz respeito às autoridades de saúde”.

“Obviamente que as normas, as orientações [da DGS] podem ser utilizadas em todo o território português, mas as regiões autónomas têm autoridades de saúde próprias”, frisou.

Graça Freitas sublinhou ainda que, em termos de orientações nesta matéria, a DGS tem acompanhado “não só a própria evolução da pandemia em Portugal como também a evolução do que foi sendo o conhecimento nesta matéria”.

“Nós nunca tivemos nenhum problema, mas rigorosamente nenhum em fazer alterações às decisões que tomamos num determinado dia em função da evidência que venha a surgir noutra altura, foi por esse motivo que fizemos várias orientações sobre máscaras”, sustentou.

Graça Freitas recordou que as máscaras fazem parte de um “pacote de proteção”, que implica a distância física, lavagem das mãos e superfícies e a etiqueta respiratória, e que as decisões tomadas se baseiam em orientações dos peritos nacionais em controlo da infeção e da Organização Mundial da Saúde e do Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças.

É neste contexto que, “à data, a recomendação para a utilização das máscaras é em determinadas circunstâncias”, nomeadamente num ambiente fechado em que não é possível garantir a distância física ou em ambientes em que exista risco porque estão muitas pessoas, apesar de estarem distantes, ou porque têm temperatura ou humidade ideal para o vírus.

“Portanto, estamos abertos à ciência ao que disserem os peritos e as organizações internacionais e nacionais e de momento mantêm-se as nossas recomendações” em relação às máscaras que devem ser “bem utilizadas”, cobrindo o nariz e a boca.

Graça Freitas aconselhou ainda a quem esteja a pensar fazer uma viagem, por qualquer motivo, antes de o fazer se informe dos requisitos que têm no local de destino e que se prepare, de acordo com isso, e que tome a decisão se quer ou não viajar nessas circunstâncias.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas