Covid-19: Secretário de Estado pede cautela na análise de primeiro dia sem mortes desde março
DATA
03/08/2020 14:58:05
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Secretário de Estado pede cautela na análise de primeiro dia sem mortes desde março

O secretário de Estado da Saúde recomendou hoje cautela nas reações ao primeiro dia desde março em que não houve mortes por Covid-19, alertando que “de um momento para o outro a situação pode inverter-se”.

Na conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia, António Lacerda Sales emocionou-se quando questionado sobre o facto de nas últimas 24 horas não ter havido mortes provocadas pelo novo coronavírus, o que já não sucedia desde 16 de março.

“Tem sido muito difícil nestes últimos tempos e queria dizer que estamos muito felizes que isto tenha acontecido. Olhamos para estes números com humildade e com cautela, porque sabemos que de um momento para o outro a situação pode inverter-se”.

Por causa disso, Lacerda Sales pediu aos cidadãos que continuem o seu “esforço individual e coletivo” para que “ajudem a manter este processo” e fazer com que haja mais dias com “zero óbitos”.

O secretário de Estado frisou que há “uma grande imprevisibilidade” em qualquer pandemia, notando que “são muitos meses a anunciar óbitos e, isso do ponto de vista humano e para um profissional de saúde, não é bom”.

“Vamos esperar pelos próximos dias para avaliar com cautela, com humildade e com a determinação própria de quem está no terreno, em conjunto com os profissionais de saúde e a estrutura de saúde pública para combater esta pandemia”, afirmou.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas