Covid-19: DGS diz que características da vacina vão definir grupos prioritários
DATA
21/08/2020 16:17:42
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: DGS diz que características da vacina vão definir grupos prioritários

A diretora-geral da Saúde afirmou hoje que a definição dos grupos prioritários no acesso à vacina contra a Covid-19 vai depender das características do medicamento, explicando que as diferentes vacinas poderão ter uma eficácia variável sobre diferentes grupos.

“Vão ser estabelecidos aquilo a que se chama de grupos prioritários para a vacinação e estes grupos são definidos por especialistas, mas a primeira linha de consideração é o tipo de vacina e as características dessa vacina”, afirmou Graça Freitas durante a habitual conferência de imprensa de atualização de informação sobre a pandemia em Portugal.

Ontem, o primeiro-ministro anunciou a compra de 6,9 milhões doses de vacinas contra a Covid-19, no valor de 20 milhões de euros, adiantando que em Portugal a vacinação será “universal e gratuita”. Na altura, António Costa afirmou que caberia à Direção-Geral da Saúde (DGS) decidir sobre quem terá prioridade no acesso à vacina.

Questionada sobre quais seriam os grupos prioritários, Graça Freitas explicou que essa seleção depende das características da vacina, designadamente se está direcionada para grupos etários específicos ou para patologias específicas.

E exemplificou: “As pessoas em maior risco são as imunossuprimidas, mas imagine que numa determinada vacina contra a Covid-19 vem que o fator imunossupressão não permite que a pessoa vacinada desenvolva anticorpos. Nesse caso, não vamos priorizar esse grupo”.

No caso da vacina agora comprada, essa informação – uma espécie de bilhete de identidade da vacina, explicou a diretora-geral – ainda não está disponível e, por isso, não é possível decidir, para já, quem terá prioridade.

No entanto, Graça Freitas afirmou que, por norma, existem dois critérios para definir essa prioridade e que colocam na linha da frente os grupos mais vulneráveis e os profissionais de saúde e cuidadores.

Também dependente do tipo de vacina está o número de doses a administrar, podendo ser necessário que cada pessoa seja vacinada duas vezes. “Muitas vezes, quando uma vacina é dada pela primeira vez, e é o caso da vacina contra a Covid-19, é necessário aquilo a que chamamos de reforço. Mas há outras vacinas que, pelas características da sua fabricação, já podem ter a capacidade de, com uma única dose, darem a imunidade”, explicou a diretora-geral.

Durante a conferência de imprensa, o presidente do Infarmed, Rui Santos, adiantou que os 6,9 milhões de vacinas constituem um primeiro lote, estando atualmente em negociação coordenada pela União Europeia a aquisição de outras vacinas, de forma a assegurar uma maior variedade.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.