Covid-19: Processo de distribuição da vacina em Portugal deverá ocorrer a partir do fim do ano
DATA
21/08/2020 16:29:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Processo de distribuição da vacina em Portugal deverá ocorrer a partir do fim do ano

O arranque do processo de distribuição da vacina para a Covid-19 deve acontecer a partir do final do ano, revelou hoje o secretário de Estado da Saúde na conferência de imprensa de atualização sobre a pandemia.

“O início do processo de distribuição deverá ocorrer a partir do final do ano, mas sempre dependendo da avaliação da Agência Europeia do Medicamento. É uma luz que se começa a avistar ao fundo do túnel”, referiu António Lacerda Sales, a propósito do recente anúncio da compra de 6,9 milhões de vacinas, num investimento estimado de 20 milhões de euros.

Segundo o governante, a estratégia de vacinação “será determinada pela Direção-Geral da Saúde (DGS)”, mas lembrou que até a vacina ser uma realidade, é necessário persistir no esforço de prevenção da propagação do novo coronavírus.

“Até à chegada da vacina, a única vacina de que dispomos é a prevenção, a antecipação e a preparação, é isso que continuamos a fazer, com o robustecimento do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Continuamos a contar com a resiliência dos portugueses até ultrapassarmos este grande desafio”, vincou.

O presidente do Infarmed, Rui Santos Ivo, esteve igualmente presente na conferência e esclareceu que as vacinas vão chegar em “diferentes prazos” à população, devido também às diferentes fases de desenvolvimento em que se encontram neste momento.

“Há três fatores muito importantes: o primeiro é o tempo – quando vamos dispor das vacinas; o segundo tem a ver com as características das vacinas; e o terceiro diz respeito às próprias condições de acesso às vacinas. O que este processo visa é criar um portefólio de opções que nos permita depois dar uma resposta”, afirmou, acrescentando: “Teremos de ter vacinas em diferentes prazos, não vão surgir todas ao mesmo tempo”.

Rui Santos Ivo enfatizou, uma vez mais, “a antecipação” e a “incerteza” com que o processo está a ser conduzido entre os Estados-membros e a Comissão Europeia, bem como o cariz coletivo da estratégia.

“O que está a ser feito é apoiar também o processo de desenvolvimento e produção das vacinas”, sublinhou o responsável, assinalando a preponderância da avaliação pela Agência Europeia do Medicamento: “Temos de dispor de dados de segurança e eficácia das vacinas, um mínimo de informação que nos permita avançar para a sua utilização. Temos também de saber se vamos administrar apenas uma dose ou mais, o regime que vai ser aplicado também resultará dessa avaliação”.

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.