Trabalhadores dos hospitais cumprem primeiro de dois dias de greve
DATA
27/08/2020 12:48:21
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Trabalhadores dos hospitais cumprem primeiro de dois dias de greve

Os trabalhadores do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH) cumprem hoje o primeiro de dois dias de greve, para exigir aumentos salariais, redução de horário de trabalho e pagamento de subsídio de risco, entre outras reivindicações.

De acordo com a Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (FESAHT), da CGTP, que convoca a greve de dois dias, a administração do SUCH “recusa-se a negociar aumentos salariais e demais propostas sindicais”, sendo que a “esmagadora maioria” dos trabalhadores recebe o salário mínimo.

“O SUCH recusa também a compensação complementar decidida na Assembleia da República para os trabalhadores do Serviço Nacional de Saúde (SNS), sendo que os trabalhadores do SUCH foram equiparados aos funcionários públicos, designadamente os que trabalham nas cantinas, lavandarias, resíduos e manutenção hospitalar”, acusa o sindicato, em comunicado.

A FESAHT fala também de condições de trabalho “horríveis e violentas”, devido por exemplo a falta de pessoal ou condições obsoletas dos equipamentos, e acusa a administração do SUCH de não ouvir os trabalhadores.

Os trabalhadores exigem aumentos salariais de 90 euros, redução do horário de trabalho para as 35 horas semanais, pagamento do subsídio de risco de 7%, pagamento do trabalho ao fim de semana, atualização do subsídio de refeição e realização de testes de despistagem de covid-19, entre outras reivindicações.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas