Avante: DGS afirma que a organização do evento “tem a responsabilidade de aplicar medidas de redução de risco”
DATA
31/08/2020 17:55:25
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Avante: DGS afirma que a organização do evento “tem a responsabilidade de aplicar medidas de redução de risco”

Foram hoje conhecidas publicamente as medidas do Parecer Técnico do Plano de Contingência da DGS, para a realização da Festa do Avante!  2020. Num comunicado enviado à imprensa, a DGS enumera todas as medidas que recomenda serem utilizadas durante os três dias nesta festa de cariz político.

Após alguma controversa social, a Festa do Avante! 2020 irá realizar-se nos dias 4, 5 e 6 de setembro na Atalaia, no concelho do Seixal e, segundo a DGS, a organização da Festa do Avante! "tem a responsabilidade" de aplicar várias medidas para reduzir o risco de infeção e para a saúde pública.

Algumas dessas medidas passam por garantir, a todos os trabalhadores e colaboradores, informação sobre a infeção da COVID-19, bem como o Plano de Contingência do evento e, simultaneamente, garantir que todos os colaboradores dispõem dos equipamentos de proteção individual (EPI) adequados às respetivas funções.

Recomenda-se, como habitualmente, o uso de máscara por todas as pessoas com idade superior a dez (10) anos, em todo o recinto, incluindo os espaços destinados a atividades específicas.

A DGS prevê ainda a existência de contentores para depósito adequado das máscaras descartáveis, bem como a existência de equipamentos e/ou instalações adequadas à adoção de boas práticas de higiene, “incluindo disponibilização de água, sabão e dispensadores de solução antissética de base alcoólica (SABA), em diversos locais estratégicos, de fácil acesso a todas as pessoas”.

De modo a evitar a aglomeração de pessoas, a DGS recomenda que se observe a regra de ocupação máxima de uma (1) pessoa por 8 m2, em espaços abertos, e de uma (1) pessoa por 20 m2, em espaços fechados.

É esperado, pela DGS, que nas zonas de restauração se verifique a existência de procedimentos para a limpeza e desinfeção regular de superfícies e objetos e recomenda-se ainda que não seja permitido o consumo de bebidas alcoólicas após as 20 horas, sendo a regra excecionada durante as refeições.

Relativamente à circulação dentro do recinto a DGS recomenda que” todos os espaços destinados a atividades específicas devem estar delimitados por uma cercadura e dispor de um sistema de controlo de lotação, de circuitos e fluxos de pessoas e de distribuição de lugares” e que a organização deve assegurar o controlo de chegadas ao recinto e a garantir o distanciamento físico de, pelo menos, dois metros entre elas, salvo se forem coabitantes.

O público infantojuvenil apresenta restrições mais delimitadas nomeadamente peça interdição de parques de diversões, parques recreativos e similares sugerindo-se, em alternativa, “a realização de atividades para crianças, conforme proposto no Plano de Contingência, desde que no seu funcionamento seja assegurado o distanciamento físico preconizado no presente parecer técnico”.

A festa inclui "inúmeras" atividades "primordialmente" realizadas ao ar livre e em diversas zonas de um terreno amplo e "a componente social acarreta grande mobilidade dos participantes e comportamentos de proximidade, sendo a partilha tendencialmente inevitável, assim como a participação de membros de várias gerações, o que implica a potencial exposição de pessoas que pertencem a grupos mais vulneráveis ao vírus Sars-Cov-2".

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas