Covid-19: Espanha já sofre “segunda vaga” e outros países europeus estão por dias, defende estudo
DATA
07/09/2020 11:27:09
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Espanha já sofre “segunda vaga” e outros países europeus estão por dias, defende estudo

Espanha já está a enfrentar uma “segunda vaga” da pandemia do novo coronavírus, defende um estudo desenvolvido por um hospital e uma universidade da Catalunha conhecido hoje, alertando que esta pode chegar aos outros países europeus nos próximos dias.

Este estudo agora conhecido, mas datado de 02 de setembro (passada quarta-feira), é assinado pelo Hospital Universitário Germas Trias i Pujol, de Badalona (Barcelona), e pela Universidade Politécnica da Catalunha e foi, entretanto, enviado à Comissão Europeia.

Intitulado "Análise e previsão da covid-19 para a União Europeia (UE) – Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA) – Reino Unido, na tradução em português”, o estudo adverte as autoridades europeias de que o atual momento é crucial para travar uma segunda vaga.

Caso nada seja feito nesse sentido, advertem os investigadores, a Europa poderá regressar a uma situação semelhante à de março, quando eclodiu uma transmissão descontrolada do novo coronavírus.

No documento, os investigadores questionam-se por que razão Espanha está a liderar o número de novos casos de infeção nesta “segunda vaga”, uma vez que é um país com altas temperaturas e com fortes costumes culturais que privilegiam as atividades ao ar livre.

Os dois centros de investigação da comunidade autónoma espanhola da Catalunha explicam que “o efeito dos bares e dos restaurantes pode ter grandes repercussões na evolução das epidemias”, espaços onde as medidas de prevenção são muito menos respeitadas pelas pessoas do que em outras circunstâncias, nomeadamente o distanciamento físico e a utilização de máscaras de proteção individual.

O relatório menciona que a taxa de contágio é 20 vezes mais baixa em espaços ao ar livre quando comparada com a incidência em espaços fechados.

Segundo os últimos dados oficiais, divulgados na sexta-feira pelo Ministério da Saúde espanhol, Espanha contabilizou nesse dia 10.476 novos casos da doença covid-19, um aumento de quase 1.500 em relação a quinta-feira, elevando para 498.989 o número de infetados desde o início da pandemia.

Para os investigadores, a chave para compreender a atual situação em Espanha passa pelo facto de o país ter levantado as restrições à mobilidade, especialmente entre províncias, antes que os outros países da UE, numa altura em que “a taxa de casos positivos podia ser três vezes superior ao que estava a ser efetivamente detetado”.

E como tal, frisaram os investigadores, a atividade social aumentou significativamente.

Com perto de meio milhão de casos de infeção confirmados desde o início da crise pandémica, Espanha segue distanciada em relação a outros países europeus, como é o caso de Itália (mais de 277 mil casos), França (324.777), Reino Unido (347.152) ou Portugal (60.258), de acordo com os dados mais recentes.

Números citados pela agência espanhola EFE, e referenciados no estudo, indicam que Espanha também se distancia de outros países europeus quando analisada a incidência de novos casos nos últimos 14 dias por 100 mil habitantes, com 216,8 infeções, à frente de França (98,2), da Roménia (69,9), da Ucrânia (65,7), da Bélgica (49,2) e dos Países Baixos (40,4).

O alerta feito no estudo tem já, alias, tradução em vários países europeus que estão a testemunhar um aumento do número de infetados à medida que a sociedade reabre após o confinamento e existe uma maior circulação de pessoas.

A "hiperventilação" dos Cuidados de Saúde Primários
Editorial | Joana Romeira Torres
A "hiperventilação" dos Cuidados de Saúde Primários
A Organização Mundial de Saúde alude que os Cuidados de Saúde Primários (CSP) são cruciais para a obtenção de promoção da saúde a nível global. Neste sentido, a Organização Mundial dos Médicos de Família (WONCA) tem estabelecido estratégias que têm permitido marcar posição dos mesmos na comunidade médica geral.

Mais lidas