Covid19: Equipa da Universidade de Aveiro desenvolve ferramenta de rastreio precoce
DATA
10/09/2020 14:24:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid19: Equipa da Universidade de Aveiro desenvolve ferramenta de rastreio precoce

Uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) está a desenvolver uma ferramenta de rastreio precoce para detetar o vírus SARS-CoV-2 que provoca a Covid-19 em pacientes sintomáticos, foi hoje anunciado.

O projeto, denominado “Sensecor”, pretende facilitar a descentralização do rastreio do SARS-cov-2 e posterior centralização de dados de monitorização epidemiológica da infeção, nas unidades de saúde competentes e autorizadas.

“O sistema ‘Sensecor’ apoiará a tomada de decisão clínica rápida, minimizando o recurso a testes de diagnóstico moleculares dispendiosos, a sobrecarga de recursos humanos especializados e de profissionais da saúde, o que contribuirá para a contenção do contágio e mitigação do alastramento da pandemia”, refere uma nota de imprensa da Universidade de Aveiro (UA).

Coordenado por Catarina Marques, investigadora do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) e do Departamento de Biologia da UA, em colaboração com peritos de diferentes áreas científico-tecnológicas, o ‘Sensecor’ propõe-se desenvolver um sistema integrado composto por vários módulos: um elemento sensorial imunológico para deteção do vírus, uma aplicação móvel para ‘smartphone’, uma unidade de condicionamento de sinal e uma de comunicação de dados.

“Desta forma, o cidadão comum poderá utilizar o sistema e tomar conhecimento do resultado do rastreio que, em simultâneo, pode ser comunicado às instituições de saúde”, antevê a coordenadora.

O sistema está a ser desenvolvido em copromoção entre a UA e a empresa Wavecom – Soluções Rádio S.A., sendo a equipa do projeto constituída também por duas entidades parceiras: o Instituto de Telecomunicações (IT2) e o Centro Hospitalar do Baixo Vouga (CHBV).

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas