Estudo: Apenas metade dos portugueses confia na eficácia e segurança das vacinas
DATA
11/09/2020 11:42:22
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Estudo: Apenas metade dos portugueses confia na eficácia e segurança das vacinas

Cerca de metade dos portugueses confia na eficácia e segurança das vacinas, um número relativamente baixo quando comparado com o verificado em outros países europeus.

A conclusão é de um estudo de revisão designado “Vaccine Confidence” – levado a cabo por investigadores da London School of Hygiene & Tropical Medicine com o intuito de analisar e comparar dados de 2015 e 2019 de vários inquéritos nacionais em 149 países sobre o nível de confiança das pessoas nas vacinas, em relação à sua segurança, eficácia e importância – e cujos resultados da última edição foram publicado hoje na revista científica The Lancet.

Para Portugal, os investigadores estimam que 50,20% das pessoas confia na segurança das vacinas, um número que sobe para 54,94% quando se avalia a eficácia. Em comparação com 2015, em dezembro de 2019 os portugueses confiavam mais nas vacinas, registando-se uma diferença de 12 pontos percentuais em relação à segurança e 14 pontos percentuais em termos de eficácia.

Nos dois campos, o país está ligeiramente acima da média da União Europeia (UE) onde, segundo os resultados, a confiança na vacinação continua baixa em comparação com as outras regiões: países como o Uganda, Bangladesh, Índia ou Burundi estão entre aqueles que mais confiam.

À semelhança de Portugal, também na Europa a tendência parece ser para confiar cada vez mais, mas os investigadores destacam alguns países onde, por outro lado, são a desconfiança e a oposição que tendem a crescer, como o Azerbaijão, Afeganistão, Paquistão ou Sérvia, refletindo os climas de instabilidade política e extremismo religioso.

Os investigadores também associam os baixos níveis de confiança à desinformação, considerando que essa é uma das principais ameaças à resiliência dos programas de vacinação.

“Por vezes, há um risco genuinamente pequeno que é rapidamente difundido e amplificado para parecer muito maior”, afirmou a investigadora que liderou o estudo, Heidi Larson, referindo também a polarização do debate público e a desconfiança em relação ao governo e às elites científicas.

Além da segurança e da eficácia das vacinas, o estudo olha também para a opinião das pessoas em relação à importância da vacinação e aqui a maioria dos países parece considerar que as vacinas, mais que eficazes e seguras, são importantes.

“Os nossos resultados sugerem que as pessoas não descartam necessariamente a importância da vacinação nas crianças, mesmo que tenham dúvidas sobre quão seguras são”, explicou outra investigadora, Clarissa Simas, acrescentando que, por isso, a comunidade científica tem de “fazer melhor” para melhorar os níveis de confiança.

Portugal não é exceção e se cerca de metade dos portugueses confia na segurança e eficácia das vacinas, a percentagem estimada de portugueses que em 2019 consideravam que a imunização é importante era de 69%, à semelhança de 2015.

Considerando o contexto atual da pandemia da Covid-19, os investigadores sublinham que a necessidade de acompanhar a opinião da população em relação à vacinação é ainda maior, para que seja possível responder de forma rápida a eventuais quebras na confiança pública.

“É vital, com a ameaça de novas doenças como a covid-19, que monitorizemos regularmente atitudes públicas para identificar rapidamente países e grupos com um declínio na confiança, para que possamos ajudar a orientar onde é preciso criar confiança e otimizar o recurso a novas vacinas”, defendeu Heidi Larson.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas