Covid-19: Oxford retoma testes da sua vacina
DATA
14/09/2020 10:52:26
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Oxford retoma testes da sua vacina

A Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca retomaram os ensaios clínicos da vacina contra a covid-19, após terem sido interrompidos depois de um voluntário do Reino Unido ter sofrido uma reação adversa, anunciou a farmacêutica.

O grupo farmacêutico britânico AstraZeneca retomou os testes no Reino Unido da vacina contra a pandemia do novo coronavírus com o sinal verde das autoridades de saúde, anuncia o grupo num comunicado.

“Os ensaios clínicos da vacina contra o coronavírus da AstraZeneca e da [Universidade] Oxford foram retomados no Reino Unido após a Autoridade Reguladora da Saúde de Medicamentos confirmar a sua segurança”, anunciou o grupo farmacêutico num comunicado.

Os testes tinham sido suspensos após uma “doença inexplicável” num dos voluntários participantes, possivelmente um efeito colateral sério.

Num comunicado de hoje, a Universidade de Oxford indicou que as provas da vacina, denominada ChAdOx1 nCoV-19 e que é desenvolvida em conjunto com a farmacêutica AstraZeneca, são retomados no Reino Unido após uma pausa no passado dia 06 de setembro, como medida de precaução.

Esta possível vacina, considerada uma das mais avançadas das que se desenvolveram em todo o mundo, está nas fases finais dos ensaios clínicos, antes de receber a autorização dos organismos reguladores para proceder à imunização da população.

Em finais de agosto, a UE fechou “um primeiro contrato” com a farmacêutica britânica AstraZeneca que garantia o acesso a 300 milhões de doses da vacina, pelo que a suspensão dos ensaios provocou um motivo sério de preocupação em todo o mundo.

No documento para dar conta da retoma dos testes, a universidade indica que cerca de 18.000 pessoas receberam esta vacina em estudo, como parte dos ensaios clínicos, e que, em testes tão amplos como estes, é esperado que algum dos participantes se possa sentir mal.

“Cada caso deve ser avaliado cuidadosamente” para garantir a segurança da vacina, acrescenta o comunicado da Universidade de Oxford, que não especificou a data da retoma dos ensaios.

As provas clínicas no Reino Unido recomeçarão após a conclusão do processo de revisão independente.

“Não podemos revelar a informação médica sobre a doença (do voluntário) por razões de confidencialidade do participante”, explica a universidade no seu comunicado.

“Estamos comprometidos com a segurança dos nossos participantes ao mais alto nível de conduta nos nossos estudos e seguimos de perto a segurança” da vacina, acrescenta o documento.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas