“Estamos a viver o momento de maior vulnerabilidade dos últimos meses”, alerta ex-ministro da saúde
DATA
15/09/2020 11:27:07
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




“Estamos a viver o momento de maior vulnerabilidade dos últimos meses”, alerta ex-ministro da saúde

Numa altura em que aumentam os novos casos diários de infeção pelo novo coronavírus, o ex-ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, deixa o alerta: “estamos a viver, possivelmente, o momento de maior vulnerabilidade dos últimos meses. Em Portugal, não tenhamos dúvida, o número de casos positivos vai continuar a aumentar”.

Segundo noticia o Jornal Económico, o ex-governante considera, por isso, que “é necessário testar os assintomáticos e, consequentemente, gerir as cadeias de transmissão a nível local com eficácia e, ao mesmo tempo, reforçar o sistema de saúde”.

O alerta foi feito na sua página do Facebook, onde dá conta de que “o mês de setembro apresenta uma conjugação de riscos muito séria”, numa altura em que “em muitos países da Europa e, também, em Portugal começam-se a atingir números que se aproximam dos alcançados na primeira fase”.

“Importa, por isso, prosseguir uma adequada caracterização da situação epidemiológica do país ouvindo os especialistas, nos diferentes domínios, na certeza de que entrámos numa fase muito diferente da verificada no início da pandemia”, defende, acrescentando que desde então foi muito o que aprendemos.

“Vimos que a transmissibilidade do vírus, não é inteiramente controlável pelas diferentes medidas adotadas. Constatámos que a sua capacidade de propagação é muito rápida e muito intensa”, detalha.

Adalberto Campos Fernandes volta a frisar a necessidade do distanciamento, a higiene respiratória, a lavagem frequente das mãos e o uso alargado de máscaras, o qual, diz, “sendo muito importantes não excluem, por si só, o risco de infeção”.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.