37.º ENMGF: GPS na articulação entre Dermatologia e Medicina Geral e Familiar
DATA
15/09/2020 12:46:22
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



37.º ENMGF: GPS na articulação entre Dermatologia e Medicina Geral e Familiar
A articulação entre a Medicina Geral e Familiar (MGF) e a Dermatologia é o tema a debate numa das sessões científicas do 37.º ENMGF, que se realiza no final de setembro, em formato virtual.

Intitulada “GPS na Dermatologia – Guia de Pintas e Sinais” e programada para as 18h30 do próximo dia 26, esta mesa-redonda conta com a participação da dermatologista/venereologista responsável pela Dermatologia do Hospital Distrital da Figueira da Foz, Rosa Mascarenhas, e do médico de família da USF Amanhecer (ACES Gondomar), Luís Pinho Costa. A moderação estará a cargo da médica de família da USF Bom Porto (ACES Porto Ocidental), Nina Monteiro.

Pretende-se que a discussão gire em torno das lesões dermatológicas mais frequentes, mas que tantas vezes levantam dúvidas e que podem ser confundidas entre elas: nevos, dermatofibromas, queratoses seborreicas, quistos, entre outras.

Através de uma apresentação dinâmica e com recurso a imagens exemplificativas, será feita a sistematização destas lesões e discutida qual a orientação que deve ser dada a cada uma.

Estima-se que os motivos de consulta relacionados com patologias dermatológicas sejam cerca de 20% das consultas realizadas nos cuidados de saúde primários. Contudo, dada a vastidão de alterações cutâneas que podem surgir, os especialistas de Medicina Geral e Familiar podem não estar completamente familiarizados com as queixas dermatológicas que lhes surgem na prática diária. Mais ainda, diferentes patologias podem ter apresentações muito semelhantes e serem difíceis de diagnosticar.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas