37.º ENMGF: Autoridades de saúde devem adotar novas formas de comunicar em eventual segunda vaga pandémica
DATA
22/09/2020 19:26:46
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




37.º ENMGF: Autoridades de saúde devem adotar novas formas de comunicar em eventual segunda vaga pandémica

O jornalismo teve um "papel fundamental" na contenção da pandemia a nível nacional e houve, da parte dos jornalistas, o assumir de um sentido de serviço público, decorrente de uma preocupação inédita em orientar comportamentos.

As conclusões são de um estudo sobre o impacto da Covid-19 em Portugal – levado a cabo por um grupo de investigadores da Universidade do Minho (UM) e do CINTESIS e que consistiu num inquérito a 200 jornalistas (diretores, editores e jornalistas redatores) de muitos órgãos de comunicação social nacionais, incluindo televisões, rádios e jornais e foram apresentadas na conferência inaugural do 37.º ENMGF pela coordenadora do mesmo, a comunicóloga, professora e investigadora da UM Felisbela Lopes.

Os resultados desta pesquisa mostram que os jornalistas enfrentaram uma onda de informação falsa sobre o tema da Covid-19 durante o Estado de Emergência e apontam, ainda, a urgência de uma mudança na comunicação das autoridades de saúde com os media.

De acordo com Felisbela Lopes, 87% dos inquiridos referiram uma crescente onda de informação falsa difundida durante a pandemia que tornou o processo de verificação e seleção de notícias sobre a doença mais “complexo e moroso”. Mais de metade dos jornalistas apontaram problemas na triagem de informação credível sobre o SARS-CoV-2 e a falta de colaboração das fontes de informação.

Estas conclusões sugerem que, “na eventualidade de uma segunda vaga do coronavírus, será útil alterar a forma como as autoridades de saúde comunicam com os media”, advoga a docente, especificando que “a informação não pode ser veiculada apenas em conferência de imprensa. Deve haver da parte das autoridades sanitárias um patamar que faça a intermediação com os media e que seja o interlocutor permanente com os jornalistas”

Mais de 90 por cento dos jornalistas inquiridos assumiram ter tentado orientar os cidadãos para determinados comportamentos durante a pandemia. Um comportamento reconhecido pelos jornalistas inquiridos como “de serviço público” que, segundo a investigadora da UM, “acontece pela primeira vez em regime democrático" e que fez com que os jornalistas se constituíssem como “um grupo importantíssimo no combate à pandemia". Felisbela Lopes sublinha que, além da "célere decisão política e do bom acompanhamento das autoridades sanitárias", o trabalho jornalístico foi "fundamental para ler o rápido confinamento que aconteceu em Portugal".

Outra das conclusões do estudo refere ainda que o trabalho jornalístico foi fundamental para o rápido confinamento do país durante o Estado de Emergência.
Numa fase de muita procura de informação por parte dos cidadãos e de um tsunami de notícias falsas, os jornalistas usaram também estratégias defensivas para combater a desinformação. Segundo o estudo, o método mais usado foi o cruzamento de dados com fontes documentais e também pedidos de explicações a fontes especializadas.

Os resultados preliminares do inquérito revelam que mais de metade dos jornalistas (52%) teve dificuldade na triagem da informação credível sobre a Covid-19. Ao mesmo tempo, 14% sentiram falta de colaboração das fontes de informação e 12% sentiram dificuldade no acesso à informação do dia.

Para Felisbela Lopes, "é um paradoxo" que o jornalismo tenha sido fundamental no combate à pandemia e, ao mesmo tempo, os jornalistas "não tenham conseguido obter informação de que necessitavam por parte das fontes oficiais".

#sejamestrelas
Editorial | António Luz Pereira
#sejamestrelas

Ciclicamente as capas dos jornais são preenchidas com o número de novos médicos. Por instantes todos prestam atenção aos números. Sim, para muitos são apenas números. Para nós, são colegas que se decidiram pelo compromisso com os utentes nas mais diversas áreas. Por isso, queremos deixar a todos, mas especialmente aqueles que abraçaram este ano a melhor especialidade do Mundo uma mensagem: “Sejam Estrelas”.

Mais lidas