Covid-19: Mais de cinco milhões de pessoas infetadas na Europa
DATA
23/09/2020 17:26:48
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Mais de cinco milhões de pessoas infetadas na Europa

A pandemia de Covid-19 já infetou mais de cinco milhões de pessoas na Europa desde o aparecimento dos primeiros casos na China, registados em dezembro do ano passado, segundo um balanço da agência de notícias France-Presse (AFP).

Uma análise realizada hoje pela AFP mostra que foram identificados na Europa 5.000.421 casos de infeção e 227.130 mortes, das quais mais de metade estão concentrados em quatro países: Rússia, Espanha, França e Reino Unido.

A Rússia contabiliza até ao momento 1.122.241 infeções e 19.799 mortes, a Espanha é o segundo país europeu com mais casos de infeção (682.267 infetados e 30.904 mortos), seguindo-se a França (502.541 infetados e 31.416 mortes) e o Reino Unido, que se destaca pela negativa nas mortes por Covid (403.551 infetados e 41.825 óbitos).

Em Portugal há registo de pelo menos 1.925 mortos e 69.663 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado na terça-feira.

Nos últimos sete dias, foram identificados mais de 380 mil novos casos na Europa, transformando-se na semana com maior número de infeções registado deste o início da pandemia, segundo contas da AFP.

Este aumento é, em parte, explicado pelo facto de alguns países estarem agora a fazer muito mais testes, como acontece em França que aumentou a testagem para mais de um milhão de análises semanais.

A AFP lembra ainda que além dos números conhecidos há uma proporção significativa de casos menos graves e assintomáticos que permanecem longe das estatísticas.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 31,6 milhões de doentes em todo o mundo e cerca de 965 mil óbitos desde dezembro do ano passado.

As certezas enganadoras sobre os Outros
Editorial | Mário Santos
As certezas enganadoras sobre os Outros

No processo de reflexão da minha prática clínica, levo em conta para além do meu índice de desempenho geral (IDG) e da satisfação dos meus pacientes, a opinião dos Outros. Não deixo, por isso, de ler as entrevistas cujos destaques despertam em mim o interesse sobre o que pensam e o que esperam das minhas funções, como médico de família. Selecionei alguns títulos divulgados pelo Jornal Médico, que mereceram a minha atenção no último ano: