Covid-19: Ministério da Saúde vai “acelerar” rastreios aos diferentes cancros
DATA
25/09/2020 10:46:45
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Ministério da Saúde vai “acelerar” rastreios aos diferentes cancros
O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, disse ontem, na Batalha, que o Ministério da Saúde está a “acelerar o processo” dos rastreios aos diferentes cancros, situação que foi prejudicada durante a pandemia.

“Para nós é uma situação muito preocupante. Se não parámos e conseguimos manter fora deste processo [Covid] os IPO [Instituto Português de Oncologia] - embora com algum decréscimo -, a nossa preocupação na área da oncologia vai exatamente para os rastreios do cancro da mama, do cancro do colo do útero e do cancro colorretal”, disse Lacerda Sales.

Falando à margem da conferência "Valorizar e Reforçar os Serviços de Saúde na Região de Leiria", organizada pelo Grupo Económico e Social da Região de Leiria, no Mosteiro da Batalha, o secretário de Estado assegurou que o Governo está “a acelerar e a fazer a reprogramação de todos esses rastreios em todas as regiões do país”.

Na conferência, o governante salientou que no período outono/inverno vai “haver dois grandes desafios”: criar um circuito para os doentes respiratórios, de modo a “dividir bem” os utentes que podem ser Covid e não Covid e “retomar a atividade existencial programada”.

“Não estamos reféns da Covid-19”, garantiu António Lacerda Sales, ao referir a “preocupação” com a “pressão sobre os cuidados de saúde” em diagnósticos não Covid-19. Por isso, foi realizado um “reforço nos recursos humanos”.

No entanto, admitiu que tem havido “mais facilidade em retomar a atividade nos hospitais” e uma “maior dificuldade” em reativar a atividade nos cuidados de saúde primários.

“Uma das razões é a impossibilidade de criar circuitos de segurança em algumas extensões de saúde. Primeiro, temos de criar as condições. Mas tem havido uma recuperação da atividade existencial dos ACeS [Agrupamentos de Centros de Saúde] e dos hospitais”, reforçou.

O secretário de Estado mostrou-se ainda confiante na resposta dos cuidados intensivos do Serviço Nacional de Saúde.

“No início da pandemia tínhamos 1.142 ventiladores. A preocupação foi duplicar essa capacidade. Como os ventiladores não funcionam sozinhos, reforçámos a estrutura de recursos humanos e essa foi uma das maiores vitórias.”

Lacerda Sales informou também que nos últimos seis meses só 18% a 19% das camas usadas nos cuidados intensivos são doentes Covid e os utentes não Covid nesta área não ultrapassaram os 63%, o que “deu alguma tranquilidade”.

O governante destacou a “elasticidade” dos internamentos, que permite, “a qualquer momento”, criar um circuito Covid ou não Covid, de acordo com as necessidades.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas