Covid-19: Grupo de peritos vai definir critérios para selecionar testes rápidos - INSA
DATA
28/09/2020 11:43:09
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Grupo de peritos vai definir critérios para selecionar testes rápidos - INSA

O Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) está a avaliar a nova geração de testes rápidos de despiste de Covid-19 e um grupo de peritos vai definir recomendações e critérios para os selecionar, foi hoje anunciado.

"Estamos a avaliar uma nova geração destes testes rápidos que permitem detetar o vírus [Sars-Cov-2 que provoca a doença Covid-19] também do exsudado da nasofaringe, da amostra respiratória, e é desta forma que o grupo de peritos se vai reunir para fazer as suas recomendações e a avaliação da utilização destes testes", disse Raquel Guiomar, do INSA, na conferência de imprensa de hoje para atualização de informação relativa à pandemia de Covid-19.

Segundo a responsável, estes novos testes rápidos apresentam "vantagens", já que têm uma "baixa complexidade de execução" e permitem "fazer o diagnóstico perto do doente, do caso suspeito", e obter "um resultado de forma rápida".

No entanto, explicou, os novos testes rápidos "têm critérios muito específicos para a sua seleção e critérios para a sua utilização e são estes critérios de seleção que vão ser oportunamente definidos pelo grupo de peritos".

Em relação aos critérios de utilização, que "são já bem descritos nas bulas e nas instruções que acompanham os testes", os testes rápidos devem ser utilizados para "deteção de antigénio para casos suspeitos com sintomas, que tenham ocorrido há menos de sete dias desde o início da infeção", e "sempre em ambiente onde exista segurança para realizar a colheita do exsudado da nasofaringe", frisou Raquel Guiomar.

Os novos testes rápidos "podem trazer algumas limitações", que "serão, no fundo, colmatadas pelo encaminhamento das amostras de alguns doentes para a análise pelo método de referência", o teste de PCR em tempo real, disse.

Segundo Raquel Guiomar, a nível internacional, a avaliação dos novos testes de diagnóstico rápido "está também a ser feita por parceiros europeus.

“Até à data, os dados preliminares indicam que esperaremos uma boa concordância entre os resultados destes testes e os resultados com o teste de referência", disse.

"A nível nacional, estamos a fazer a avaliação do desempenho em ambiente clínico destes testes em parceria com alguns hospitais e a breve prazo teremos também os dados que nos permitirão também fazer esta avaliação", disse.

Raquel Guiomar lembrou que o INSA, em conjunto com a Direção-Geral da Saúde (DGS), o Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde e peritos de outras instituições de saúde, tem vindo a formar um grupo que tem acompanhado a qualidade e a diversidade dos testes de despiste de Covid-19 e fez um ponto da situação relativamente ao que existe e ao que é recomendando.

O teste de referência, que é o atualmente recomendado pela DGS em todas as orientações e normas já divulgados, é o de PCR em tempo real, que "permite ter um resultado com elevada fiabilidade e é muito sensível e específico e tem vindo a permitir diagnosticar os novos casos de infeção pelo vírus Sars-Cov-2".

Existem também testes que permitem avaliar os anticorpos e a imunidade para o Sars-Cov-2 e "são recomendados essencialmente para avaliar a presença de anticorpos a nível populacional e foram já utilizados no estudo feito pelo INSA para avaliar a sero prevalência de anticorpos para o Sars-Cov-2 divulgado no passado mês de julho e "desta forma é que devem ser utilizados".

"Estes testes de deteção de anticorpos, em casos específicos, nomeadamente em casos de doença mais severa, podem também ser um complemento a toda a informação laboratorial e clínica e permitem fazer a melhor gestão do doente", frisou.

Atualmente, estão a ser também divulgados testes rápidos de deteção de antigénicos, que, no início da pandemia de Covid-19, foram avaliados pelo INSA, durante os meses de abril e maio, "mas devido às suas características e à falta de coincidência de resultados com o método de referência não foram à data recomendados".

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas