Hospital das Caldas da Rainha reforça médicos e capacidade de internamento nas Urgências
DATA
13/10/2020 10:30:43
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Hospital das Caldas da Rainha reforça médicos e capacidade de internamento nas Urgências

O Hospital das Caldas da Rainha prevê aumentar a capacidade de internamento e reforçar o número de médicos e enfermeiros nas Urgências, onde a semana passada a sobrelotação de serviço obrigou a reencaminhar doentes para outras unidades.

O Plano de Contingência de Saúde Sazonal – Módulo Inverno e Covid-19 (2020-2021) “prevê um aumento da capacidade de internamento, a criação de novos espaços para atendimento de doentes e um reforço de recursos humanos [no Hospital das Caldas da Rainha]”, informou hoje o Conselho de Administração (CA) do Centro Hospitalar do Oeste, onde esta unidade se insere.

À agência Lusa, a administração do CHO explicou que o plano prevê um aumento de 25 camas de internamento e, numa primeira fase, “um reforço de recursos humanos para colmatar o aumento de episódios de urgência” de oito médicos, 14 enfermeiros e 14 assistentes operacionais.

O reforço surge depois de, na última semana, se ter verificado “uma sobrelotação do Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica da Unidade de Caldas da Rainha, por motivo de concentração de um elevado número de doentes em observação”, situação que o CA assegura estar, “neste momento, controlada”.

A sobrelotação do Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica, verificada entre os dias 05 e 08, “não colocou em causa o atendimento dos doentes já admitidos no serviço”, mas, segundo o CA, levou a instituição a solicitar ao Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) a transferência de doentes para outras unidades de referência, “de acordo com a sua condição clínica”.

A situação levou os deputados do PSD eleitos pelo distrito de Leiria a questionar a ministra da Saúde, Marta Temido, sobre a “sobrelotação e a escassez de recursos humanos” do serviço, onde consideram ter sido “posto em causa o atendimento dos utentes do Serviço Nacional de Saúde que residem na região”.

Na pergunta, os deputados apontam como exemplos “o atendimento da valência de Ortopedia em caráter de Urgência da Unidade de Caldas da Rainha, que teve de passar a ser assegurado pela Unidade de Torres Vedras” ou o Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica, que “tem estado transitoriamente incapacitado de receber doentes urgentes/emergentes, por sobrelotação, o que acarretou inclusivamente a retenção de macas de Bombeiros e obrigou ao redirecionamento e encaminhamento das situações para outras instituições”.

Os deputados questionam no documento “que medidas tenciona o Governo adotar para aumentar a capacidade de atendimento daquele serviço e em que prazos”, bem como qual o reforço de pessoal necessário naquele serviço e para quando está prevista a sua concretização.

No documento apresentado na Assembleia da República, os social-democratas lembram ainda que as obras de remodelação e ampliação do Serviço de Urgência Médico-cirúrgica da Unidade das Caldas da Rainha “já deveriam ter terminado há cerca de um ano” e questionam para quando a sua conclusão.

Em resposta à Lusa, o CHO esclareceu que a obra “foi suspensa devido à pandemia, por impossibilidade de disponibilizar o espaço ocupado com o portador de Covid-19, bem como para proteger os profissionais do empreiteiro do risco de contágio”.

De acordo com o CA, o CHO aguarda “indicação da data de retoma da obra, que não poderá ficar suspensa até ao final da pandemia, e está “a desenvolver o procedimento necessário para aquisição de uma unidade modular, que permitirá alargar transitoriamente o espaço disponível”.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas