Covid-19: Ministério da Saúde nega ter reduzido capacidade dos emails dos médicos
DATA
13/10/2020 11:09:11
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Ministério da Saúde nega ter reduzido capacidade dos emails dos médicos
O presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) disse hoje que a capacidade de armazenamento dos ‘emails’ dos médicos não foi reduzida, tal como denunciado pela Ordem dos Médicos, mas sim reconfigurada.

“O que aconteceu foi uma reconfiguração da forma como os serviços prestados, neste caso os serviços de licenciamento de produtos Microsoft, estão a ser entregues aos profissionais de saúde”, afirmou Luís Goes Pinheiro, na conferência de imprensa de atualização da situação da pandemia de Covid-19 em Portugal.

O responsável explicou que o que houve foi uma mudança na forma como o armazenamento se processa, assim como um reforço “significativo” das ferramentas que passaram a estar disponíveis a um número “muito mais alargado” de profissionais do Serviço Nacional de Saúde.

Na semana passada, a Ordem dos Médicos queixou-se de uma redução da capacidade da caixa de e-mail dos médicos de família, considerando a decisão inaceitável e intolerável.

Até agora, adiantou Luís Goes Pinheiro, havia dois perfis mais baixos que tinham caixas de dois gigabytes e de 50 gigabytes e o que se fez foi entregar a estes perfis caixas de 52 gigabytes.

“A forma como se acede a este armazenamento é que mudou. Há dois gigas nas caixas de entrada e 50 numa caixa que é um arquivo ‘online’. Para mitigar esta fase de passagem de um modelo para o outro está a ser feito um trabalho conjunto entre a SPMS e as equipas locais, que são quem junto dos profissionais de saúde administram o correio eletrónico.”

Referindo que existiram sessões de formação, o presidente dos SPMS ressalvou que esta reconfiguração teve por objetivo garantir que há uma maior caixa de correio eletrónico para o maior número de pessoas, mas também que há um maior número de produtos acessível aos profissionais de saúde.

“No contrato anterior, apenas 24% dos utilizadores com acesso a serviços desta natureza tinham o Office ‘online’, com o Word, o Excel, o Powerpoint, tinham acesso à ferramenta de armazenamento de dados One Drive, tinham acesso ao Teams, entre outras ferramentas, designadamente em matéria de segurança", observou.

Neste novo contrato, o que se prevê é que venha a ascender progressivamente até mais de 80% e, portanto, criando condições para que os vários profissionais de saúde, na sua plenitude, possam beneficiar de um conjunto “vastíssimo de ferramentas” de que até agora não podiam, apontou.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas