Fisiopatologia, tratamento e papel da MGF na gestão da psoríase
DATA
13/10/2020 16:27:45
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Fisiopatologia, tratamento e papel da MGF na gestão da psoríase

A psoríase, doença que afeta cerca de dois a três por cento da população, foi o tema central de um simpósio online promovido pela LEO Pharma, a 26 de setembro, no âmbito do 37.º Encontro Nacional de Medicina Geral e Familiar (MGF).

Na sessão – intitulada "Psoríase: fisiopatologia, tratamento e o papel da MGF na gestão da doença” e moderada pelo médico de família Nelson Rodrigues – Fernando Mota, dermatologista/venereologista do Hospital da Senhora da Oliveira (Guimarães), abordou os vários subtipos desta doença inflamatória crónica, imunomediada e sistémica, sendo o mais comum o da psoríase em placas, que representa 70 a 80% dos casos e se caracteriza por placas eritematosas recobertas por descamação prateada, que se localizam essencialmente nos cotovelos, joelhos, região lombo-sagrada e couro cabeludo.

As comorbilidades e o tratamento desta patologia não foram esquecidos, com o especialista a destacar, como terapêuticas atualmente disponíveis para a psoríase, a terapêutica tópica, a fototerapia, a terapêutica sistémica convencional e a terapêutica biológica.

Assista ao simpósio na íntegra, aqui:

 

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas