Covid-19: É preciso um plano de gestão, coordenação e liderança, defendem os Administradores Hospitalares
DATA
15/10/2020 11:28:32
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: É preciso um plano de gestão, coordenação e liderança, defendem os Administradores Hospitalares

O presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares, Alexandre Lourenço, defendeu hoje que na luta contra a Covid-19 é urgente um plano operacional de gestão, “coordenação no terreno” e um papel de liderança do Ministério da Saúde.

E é preciso que desta vez não se deixem doentes para trás, porque Portugal “não tem um Ministério Covid-19, tem um Ministério da Saúde”, declarou.

Alexandre Lourenço falava à Lusa a propósito do número recorde de novas infeções de Covid-19, 2.072 casos de terça-feira para quarta-feira, o número mais elevado desde o início da pandemia.

O responsável tem vindo a insistir que é preciso criar “uma rede global de resposta à pandemia”, que permita ativações de acordo com as necessidades.

Essa rede permitiria que não fossem deixados por tratar outros casos não Covid-19, disse, lembrando que a pandemia impediu, por exemplo, sete milhões de contactos nos cuidados de saúde primários, além de 100 mil cirurgias. E não se sabe que repercussões isso terá, porque essa investigação ainda não foi feita, disse.

O responsável insistiu que é preciso que o Governo se deixe de intenções e que comece a agir desde já e que invista na coordenação entre hospitais, e que estes estejam ligados na gestão de camas.

“Não faz sentido que os hospitais individualmente estejam a sofrer com a pandemia. Faz sentido diluir a resposta à Covid-19 por hospitais de cada região, faz sentido diluir esta pressão sobre os hospitais”, disse à Lusa, acrescentando que é preciso “criar estruturas de retaguarda” agora e não anunciar intenções de as criar.

Alexandre Lourenço lembrou que Portugal nem está ainda no período das infeções respiratórias e da gripe e questionou onde se vão tratar esses doentes e como se vai impedir o grande afluxo às urgências.

Portanto, resumiu, “há um conjunto de medidas que é preciso implementar, e não anunciar”, porque sabia-se que este aumento de casos de covi-19 ia acontecer e é preciso criar “mecanismos de antecipação” e de “medidas no terreno”. E a situação, avisou, é “de elevada gravidade”.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas