Covid-19: Primeiro-ministro afasta situação de descontrolo no SNS
DATA
15/10/2020 15:12:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Primeiro-ministro afasta situação de descontrolo no SNS
O primeiro-ministro afastou a hipótese de uma situação de descontrolo no Serviço Nacional de Saúde (SNS), uma vez que atualmente há "capacidade de resposta” para fazer face à pandemia de Covid-19.

“Só haverá situação de descontrolo quando não houver capacidade de resposta. Até agora temos tido capacidade de resposta. Tivemos na primeira fase, temos agora e agora temos uma capacidade acrescida para poder responder”, disse António Costa, em conferência de imprensa realizada após o Conselho de Ministros.

No entanto, sublinhou que não se pode estar à espera que seja o SNS a resolver a pandemia.

“O controlo da pandemia depende exclusivamente de nós individualmente e de todos nós em conjunto. Isto é fundamental, temos de controlar a expansão da pandemia porque as pessoas quando chegam ao SNS já estão contaminados”, precisou.

O primeiro-ministro salientou também que é preciso ter em conta que não se pode “medir a capacidade do SNS através de cada unidade hospitalar”, uma vez que existe uma lógica de rede entre os hospitais de todas as regiões.

“Neste momento ainda temos capacidade de resposta para aquilo que é o atual nível de camas afetas à Covid. Em todos os estabelecimentos há a possibilidade de alargar o número de camas dedicadas à Covid se tal se vier a justificar”, sustentou.

António Costa afirmou igualmente que todos têm de ter “consciência que, para além da Covid, há muitas outras doenças”, não se podendo sacrificar a atividade assistencial.

“Tem vindo haver um esforço muito grande na recuperação das atividades que foram cancelas, sobretudo no período do estado de Emergência. Temos vindo a recuperar e, em algumas regiões, já está acima da atividade do período homólogo, mas esse esforço é um esforço que temos de continuar. A primeira prioridade que devemos todos é preservar a capacidade do SNS“, frisou.

O Conselho de Ministro decidiu hoje que Portugal Continental vai passar, a partir de quinta-feira, para a situação de calamidade devido à pandemia de Covid-19.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.