StayAway Covid: Ordem dos Médicos contra a obrigatoriedade de instalação da app
DATA
20/10/2020 17:11:05
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




StayAway Covid: Ordem dos Médicos contra a obrigatoriedade de instalação da app

“A aplicação StayAway Covid só tem utilidade em complementaridade com outras medidas de controlo da pandemia e o seu interesse é escasso isoladamente”, afirma a Ordem dos Médicos (OM), opondo-se à obrigatoriedade de instalação da app.

Em comunicado, a OM marcou a sua posição relativamente a este tópico que iria ser debatido em Parlamento, mas que foi ontem "desagendado" da apreciação diploma que continha a obrigatoriedade do uso da aplicação "Stayaway Covid", a pedido do primeiro-ministro, António Costa.

Segundo a OM, “Não existe evidência científica robusta de que a sua utilização possa contribuir de forma significativa para diminuir a incidência da Covid-19” e a “obrigatoriedade da sua instalação […] coloca em causa questões éticas fundamentais subjacentes à vivência de um estado democrático, ao não preservar a confidencialidade e proteção de dados pessoais, e ao interferir com liberdades fundamentais e direitos individuais”.

Entre outros motivos, a Ordem dos Médicos realça ainda aspetos como o de “uma parte significativa da população portuguesa, talvez até a mais vulnerável, nem sequer tem os equipamentos móveis necessários para instalar a aplicação StayAway Covid”.

Nesta medida, a instalação e utilização da aplicação Stayaway Covid deve ser recomendada, mas em circunstância alguma ser obrigatória.

A OM termina ainda afirmando que “É verdade que estamos a combater um inimigo ainda pouco conhecido, lidamos com a incerteza. Mas não podemos perder o rumo. Queremos que Portugal seja uma referência na área da saúde, Covid e não Covid, o que implica persistir no caminho da ciência e da ética”, justificando a sua posição quanto a este tema.

As certezas enganadoras sobre os Outros
Editorial | Mário Santos, membro da Direção Nacional da APMGF
As certezas enganadoras sobre os Outros

No processo de reflexão da minha prática clínica, levo em conta para além do meu índice de desempenho geral (IDG) e da satisfação dos meus pacientes, a opinião dos Outros. Não deixo, por isso, de ler as entrevistas cujos destaques despertam em mim o interesse sobre o que pensam e o que esperam das minhas funções, como médico de família. Selecionei alguns títulos divulgados pelo Jornal Médico, que mereceram a minha atenção no último ano: