Covid-19: Apenas 5% dos 11.080 casos na região de LVT estão internados em enfermaria
DATA
23/10/2020 16:02:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Apenas 5% dos 11.080 casos na região de LVT estão internados em enfermaria
Apenas 5% dos 11.080 casos ativos de Covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo necessitam de internamento e menos de 1% de cuidados intensivos, avançou hoje à Lusa o presidente da ARSLVT, Luís Pisco.

No dia em que Portugal registou o valor mais elevado (3.270) de novos casos desde o início da pandemia o presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo quis deixar uma mensagem de tranquilidade à população.

“É óbvio que os números estão a subir no país, mais no Norte do que em Lisboa e Vale do Tejo, onde temos estado num planalto elevado”, mas é preciso contextualizar estes números.

Neste momento, sublinhou, há nesta região “11.080 casos ativos confirmados e, desses, só 571 pessoas estão internadas”, o que quer dizer que apenas 5% das pessoas que estão doentes com Covid-19 é que necessitam de internamento hospitalar.

“Felizmente as outras 95% têm o tratamento em casa sem problemas de maior”, sublinhou.

Do total de casos ativos, “menos de 1% tem que ir para cuidados intensivos, que é de facto aquilo amedronta todas as pessoas e é o desfecho que ninguém gostaria de ter”, disse Luís Pisco.

Segundo o presidente da ARSLVT, “a esmagadora maioria das pessoas são vistas nos cuidados de saúde primários”, nas áreas de atendimento respiratório dedicadas à Covid-19.

Desde maio, os cuidados de saúde primários fizeram 82 mil consultas e o número tem vindo a subir, adiantou.

“O número de casos está a aumentar, mas os cuidados de saúde primários têm resposta para uma percentagem muito elevada de população que não precisa de ir para o hospital para ter a resposta que necessita e eu gostaria de tranquilizar a população em relação a isso e aos cuidados intensivos”, salientou.

Relativamente aos cuidados intensivos, Luís Pisco afirmou que os hospitais estão “muito mais bem preparados” em termos de ventiladores do que estavam no início da pandemia.

“Pese embora estes números nos preocupem, o Serviço Nacional de Saúde responde solidário aos vários níveis, nos hospitais, nos cuidados de saúde primários, nos cuidados continuados, que em conjunto seguramente darão uma resposta à Covid-19”, sustentou o presidente da ARSLVT.

Segundo o boletim diário da DGS, quase 60% dos novos casos que surgiram nas últimas 24 horas ocorreram na região Norte, ao registar hoje mais 1.954 infeções de Covid-19, num total de 44.875 e 987 mortos desde o início da pandemia.

A região de Lisboa e Vale do Tejo surge em segundo lugar no mapa de Portugal de novos casos diários, tendo sido notificados nas últimas 24 horas 936 novos casos de infeção, contabilizando desde o início da epidemia 50.395 casos e 904 mortes.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas