×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 35433
Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia convida em nova campanha: “Vamos falar de Sii”

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) lança hoje a campanha “Vamos falar de Sii”. 

A iniciativa pretende contribuir para a literacia da população portuguesa sobre a Síndrome do Intestino Irritável (SII), uma doença “incapacitante” que afeta um milhão de portugueses (cerca de 10% da população), mas de difícil diagnóstico.

Segundo a SPG, a SII é considerada a patologia mais frequente do tubo digestivo dita funcional, sendo também a principal causa de consultas de Gastrenterologia (doenças do Aparelho Digestivo). No entanto, os seus sintomas principais são “pouco específicos”. Na maioria dos casos passam por “dor abdominal, diarreia e obstipação”, o que faz com que muitas vezes se confunda esta com outras doenças.

A campanha, que conta com o apoio da farmacêutica Norgine, vai espelhar-se em várias iniciativas de sensibilização, a decorrer nos próximos meses. Além disso, foi criado um website e uma página de Facebook para esclarecer dúvidas e divulgar informação.

“Queremos informar para melhor diagnosticar e tratar, contribuindo para o conhecimento de um problema de saúde que afeta a qualidade de vida de muitos portugueses”, explica o professor doutor Rui Tato Marinho, presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia, citado em comunicado. “Vamos dar a conhecer mais sobre esta situação crónica alertando para os seus sintomas para que todos a possam identificá-la e tratá-la. Queremos contribuir de forma positiva para auxiliar quem sofre”, conclui.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas