Covid-19: OMS insiste que “não devemos desistir” da luta contra a pandemia
DATA
27/10/2020 12:38:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: OMS insiste que “não devemos desistir” da luta contra a pandemia

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) sublinhou hoje que "não devemos desistir" da luta contra a pandemia da Covid-19, reagindo ao aumento de novos casos na Europa e nos Estados Unidos.

"Não podemos desistir. Não devemos desistir", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, numa altura em que a situação epidemiológica se agrava sobretudo no continente europeu e nos Estados Unidos.

O diretor-geral da OMS admitiu que após meses de luta contra a pandemia que já matou mais de 1,1 milhões de pessoas, parece estar a instalar-se algum cansaço, mas pediu que a luta continue, um dia depois de um alto funcionário do governo de Donald Trump ter sugerido que os Estados Unidos estão a desistir de "assumir o controlo" da pandemia.

“É perigoso abdicar do controlo” da pandemia, sublinhou, contrariando as declarações do chefe de gabinete do presidente norte-americano, Mark Meadows, que afirmou que a única forma de vencer a pandemia é através medidas de mitigação, como uma vacina ou de um tratamento.

“Não devemos desistir e é por isso que dizemos que, se concordarmos com o chefe de gabinete que proteger os mais vulneráveis é importante, abrir mão do controlo [da pandemia] é perigoso”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante a habitual conferência de imprensa da OMS.

A propósito da estratégia anunciada pelos Estados Unidos, assente na mitigação e não no controlo da doença, o responsável de emergências sanitárias da OMS, Mike Ryan, lamentou que “ainda haja pessoas que não tomem medidas contra a Covid-19 porque não acreditam na doença ou na pandemia” e pediu medidas persuasivas para combater essa atitude.   

“A mitigação é importante, mas não nos podemos centrar inteiramente nisso. Os Estados Unidos tiveram muitos problemas em março e em abril, quando se centraram nessa estratégia enquanto os seus departamentos de emergência estavam saturados”, alertou o especialista da OMS.

Mike Ryan insistiu ainda na necessidade de pensar nas pessoas mais vulneráveis à doença, como os idosos ou outros doentes, e garantiu que “a melhor forma de protegê-los é fazer todos os possíveis para reduzir a transmissão da Covid-19 na comunidade”.

“Não podemos abandonar o objetivo de suprimir e controlar a transmissão. Agora é difícil nos Estados Unidos e na Europa, mas se cada pessoa fizer o necessário para reduzir a sua exposição ao vírus pode haver progressos significativos”, concluiu.

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas