Covid-19: Hospitais do SNS podem suspender atividades não urgentes em novembro
DATA
04/11/2020 11:35:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Hospitais do SNS podem suspender atividades não urgentes em novembro

O Ministério da Saúde determinou que os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) podem suspender a atividade assistencial não urgente durante o mês de novembro, segundo um despacho com data de ontem, assinado pela ministra da Saúde.

O documento diz que os hospitais do SNS devem suspender durante o mês de novembro a atividade assistencial “que, pela sua natureza ou prioridade clínica, não implique risco de vida para os utentes, limitação do seu prognóstico e/ou limitação de acesso a tratamentos periódicos ou de vigilância”.

E acrescenta: “Compete às Administrações Regionais de Saúde (ARS) assegurar a coordenação da utilização da capacidade instalada nos hospitais da sua área geográfica e, sempre que necessário, tomar as medidas adequadas à articulação inter-regional, sem prejuízo das competências atribuídas a outras entidades”.

O despacho refere também que compete à Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva para a Covid-19 (CARNMI), em articulação com os hospitais do SNS, através dos respetivos Serviços de Medicina Intensiva, e com as ARS, "coordenar a gestão, a nível nacional, de camas de Medicina Intensiva de nível III e nível II, em função da evolução da pandemia Covid-19 e das capacidades hospitalares existentes a cada momento”.

Já ao Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) compete "apoiar o transporte inter-hospitalar de doentes críticos cuja transferência se revele necessária", pode ainda ler-se no documento.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.