FNAM acusa Marta Temido de omitir dados sobre contrações para o SNS
DATA
09/11/2020 11:54:01
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




FNAM acusa Marta Temido de omitir dados sobre contrações para o SNS

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) considera que a ministra da Saúde omitiu dados sobre a contração de profissionais para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), na recente discussão do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) no Parlamento, advogando que as vagas não foram todas preenchidas.

Em comunicado enviado às redações, a FNAM refere que Marta Temido afirmou que foram contratados 287 médicos de família (MF) para o SNS, tendo, “omitido quantos mais poderiam ter sido contratados no último procedimento concursal”.

Segundo a estrutura sindical, “houve 435 vagas a concurso, ou seja, mais 50% que os médicos que acabaram por ser colocados”, e, caso fossem preenchidas, permitiria que mais de 230 mil utentes tivessem, neste momento, MF atribuído.

“Trata-se de um resultado que só pode ser qualificado como uma desilusão. Ficam também por referir as centenas de médicos de família que se reformam em 2020, que provavelmente colocam o balanço anual em terreno negativo”, refere a FNAM, acrescentando que “aventar números de forma avulsa e descontextualizada não é sério”.

Aquele sindicato médico defende um investimento direto em condições de trabalho adequadas para os médicos do SNS, sob pena de se continuar a assistir a uma “lamentável perda de profissionais, formados no SNS e altamente qualificados”.

Na passada quinta-feira, no Parlamento, a governante referiu que a contratação de 287 especialistas de Medicina Geral e Familiar vai permitir que mais 341 mil portugueses passem a ter médico de família. Marta Temido lembrou que o orçamento do SNS aumenta 1.210 milhões de euros face ao planeamento inicial de 2020.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.