Europacolon alerta para o diagnóstico precoce do cancro do pâncreas
DATA
19/11/2020 09:02:50
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Europacolon alerta para o diagnóstico precoce do cancro do pâncreas

No Dia Mundial do Cancro do Pâncreas, que se assinala hoje, dia 19 de novembro, a Europacolon junta-se mais uma vez à campanha mundial de consciencialização para este cancro, através da campanha “Está na hora” (It’s about time).

A campanha deste ano é dedicada à deteção precoce da doença, ao conhecimento dos fatores de risco e dos sintomas porque, segundo a Europacolon “ ‘está na hora’ de apostar na deteção precoce e mudar as taxas de mortalidade, garantindo que mais pessoas sobrevivem” a este, que é um dos cancros mais mortais.

Segundo dados do Global Cancer Observatory (Globocan) de 2018, mundialmente são diagnosticados 460 mil casos de cancro do pâncreas por ano, 130 mil na Europa e 1619 em Portugal. A incidência aumentou 23% nos últimos seis anos e prevê-se que continue a aumentar. Em Portugal, todos os anos, o cancro do pâncreas é responsável pela morte de 1594 pessoas a cada ano

Para o presidente da Europacolon Portugal (Associação de Apoio ao Doente com Cancro Digestivo), Vítor Neves, “A sobrevivência depende muito do estadio da doença à data do diagnóstico. Sendo que, se o diagnóstico for precoce e puder haver intervenção cirúrgica para remoção do tumor, a sobrevida aumenta muito. Conhecemos doentes com mais de 12 anos de vida com a doença, devido a um diagnóstico atempado”.

A importância de apostar na deteção precoce é justificada pelo facto do cancro do pâncreas ser “o tumor maligno do sistema digestivo com pior prognóstico, sendo atualmente a terceira causa de morte por cancro na Europa. A sobrevivência a este tipo de tumor é das mais baixas. Só 2% a 8% dos doentes ultrapassam os cinco anos de sobrevida”, afirma Vítor Neves.

“Está na hora de mudar esta realidade e é isso mesmo que tentamos fazer todos os dias e mais uma vez no âmbito do Dia Mundial do Cancro do Pâncreas, juntando-nos à campanha da World Pancreatic Cancer Coalition, cujo mote este ano é “It’s about time”, sublinha.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas