OMS lança campanha para deixar de fumar com ajuda das redes sociais
DATA
09/12/2020 10:57:15
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




OMS lança campanha para deixar de fumar com ajuda das redes sociais

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou hoje uma campanha, que vai durar um ano, em que vai desafiar 100 milhões de pessoas em todo o mundo a tentar parar de fumar com a ajuda das redes sociais.

A campanha, centrada especialmente em países que mantêm um elevado número de fumadores (Estados Unidos, México, China, Brasil ou Alemanha, entre outros), vai promover a criação em redes sociais de comunidades de pessoas que estão a abandonar o hábito de fumar, para que se apoiem mutuamente nesse desafio e partilhem informações.

Outro dos objetivos é aumentar o acesso a serviços de apoio para deixar de fumar e “consciencializar sobre as táticas usadas pelas empresas tabaqueiras", disse a OMS em comunicado.

A campanha conta com a participação da aplicação WhatsApp e várias multinacionais como a Google, Amazon, Facebook ou Johnson & Johnson, entre outros.

No mundo, cerca de 780 milhões de pessoas afirmam querer deixar de fumar, mas apenas 30% delas têm acesso às ferramentas que podem ajudá-las a conseguir este objetivo, sublinha a OMS, que espera com esta campanha aumentar a disponibilidade destas ferramentas.

Devido à pandemia de covid-19, uma doença que pode ser mais grave para fumadores com doenças respiratórias crónicas, tem aumentado o número de pessoas interessadas em abandonar este hábito, segundo a OMS.

“Fumar mata oito milhões de pessoas por ano, mas se os fumadores ainda precisam de mais motivos para deixar este hábito, a pandemia tem sido um verdadeiro incentivo”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, no lançamento da

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas