Covid-19: Costa saúda aprovação da primeira vacina, mas pede manutenção dos cuidados sanitários
DATA
22/12/2020 09:18:25
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Costa saúda aprovação da primeira vacina, mas pede manutenção dos cuidados sanitários
O primeiro-ministro saudou a aprovação da primeira vacina contra a Covid-19 por parte da Agência Europeia do Medicamento, mas advertiu que os cidadãos terão de continuar a manter todos os cuidados sanitários.

"Hoje é um dia de grande alegria e esperança para a Europa e para todos os Europeus, com a aprovação da vacina, por parte da Agência Europeia do Medicamento, que combaterá a propagação do novo coronavírus no espaço europeu", escreveu ontem António Costa na sua conta pessoal na rede social Twitter.

Na mesma mensagem, o primeiro-ministro considerou que se trata de uma "conquista da ciência" agradecendo depois "a todos os investigadores que, a nível global, têm trabalhado para este objetivo".

"É um grande momento de confiança para todos nós. Porém, temos de continuar a manter todos os cuidados", avisou logo a seguir.

A Comissão Europeia autorizou hoje a colocação no mercado da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Pfizer e BioNTech, horas após a Agência Europeia do Medicamento (EMA) ter dado o seu parecer científico favorável, anunciou a presidente do executivo comunitário.

"Hoje acrescentámos um importante capítulo ao nosso combate contra a Covid-19. Tomámos a decisão de disponibilizar aos cidadãos europeus a primeira vacina contra a Covid-19. Concedemos autorização comercial condicional à vacina produzida pelo BioNTech e Pfizer", anunciou Ursula von der Leyen, numa declaração à imprensa desde a sede da Comissão Europeia, em Bruxelas.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.