Bastonário pede solução para médicos que deixam de poder passar receitas em papel
DATA
29/12/2020 09:45:47
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Bastonário pede solução para médicos que deixam de poder passar receitas em papel
A Ordem dos Médicos pediu hoje ao Governo para resolver o problema dos médicos que, por causa da idade, têm dificuldade de adaptação aos meios informáticos e, por isso, dentro de dias deixarão de poder passar receitas em papel.

Em comunicado, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, lembra que se trata de “um pequeno número de médicos” que, com o fim do prazo de transição para a desmaterialização das receitas em papel, deixarão de ter a possibilidade de as passar à mão.

“Estamos a falar de um conjunto de médicos que foram determinantes na construção dos cuidados de saúde em Portugal. Numa altura crítica, em que o acesso a cuidados de saúde tem já tantas dificuldades, e sendo este problema de resolução tão simples, não se entende o silêncio da tutela”, afirma o bastonário, em comunicado.

Na nota, Miguel Guimarães lembra que já tinha alertado o Ministério da Saúde para este problema, mas ainda não obteve resposta.

O prazo previsto para acabarem as receitas em papel, passando a haver apenas receitas eletrónicas, foi adiado até 31 de dezembro por causa da situação pandémica que o país atravessa e pela dificuldade dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde em prosseguirem com as formações necessárias para estes médicos.

“Em plena segunda vaga, não se percebe, assim, o que terá melhorado”, questiona o bastonário, lembrando que “os médicos colaboraram sempre de forma exemplar no processo de desmaterialização da receita, mesmo utilizando um sistema informático que falha muitas vezes, que atrasa consultas e outros procedimentos”.

Miguel Guimarães sublinha ainda que, se não for resolvido, o problema “terá um impacto negativo nos doentes”.

You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade
Editorial | António Luz Pereira, Direção da APMGF
You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade

No ano de 2021, foram realizadas 36 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 10,7% do que em 2020 e mais 14,2% do que em 2019. Ou seja, aproximadamente, a cada segundo foi realizada uma consulta médica.